domingo, junho 12, 2011

O excelente exemplo do sector do calçado

O sector do calçado, que, segundo o "Público", "contabiliza 1354 empresas, que empregam cerca de 32700 trabalhadores, com uma produção anual de 62 milhões de pares, dos quais mais de 95 por cento se destinam à exportação para 132 países", decidiu, após negociações com os sindicatos do sector (aleluia!: para além do caso da AutoEuropa ainda há sindicatos e associações patronais que negoceiam e conseguem chegar a acordo), aumentar os seus trabalhadores em 2%. Pelos vistos, aqui está um bom exemplo de um sector exportador que não tem problemas de competitividade que obriguem a uma redução na Taxa Social Única. Por todas estas razões, um excelente exemplo que deve levar quem ainda não o fez o repensar a questão da TSU.

Nota: sobre este assunto, ler o excelente pequeno artigo de Ferreira Fernandes no DN.

4 comentários:

VdeAlmeida disse...

Gostaria de deixar uma nota à margem, mas de certo modo ligado ao tema. Ou por outra, deixar uma nota sobre os sapatos portugueses.
É verdade que por cá se fazem bons sapatos, e sei que se vendem muito bem em alguns países, havendo mesmo marcas que atingem um publico habituado a produtos de excelência.E era aqui que queria chegar: porque será que por cá, tais produtos não se encontram? Porque será que quando se procuram sapatos decentes, de marcas portuguesas, nem vê-las?
Esta uma questão que há muito me intriga... Será que os "sapateiros" porugueses não nos consideram merecedores de produtos de alta qualidade?...

JC disse...

Meu caro:
Só agora vi o seu comentário, pelo que peço desculpa da resposta tardia. Tanto quanto sei, vende-se a marca Mack James e vendia-se a McGill. São ambas marcas portuguesas. Não são Church ou Alden, mas, enfim, são razoáveis, "Goodyear welted" e custam menos de €200. O problema - acho - é que o tipo de sapatos que eu e v. gostamos tem um mercado mtº pouco vasto em Portugal, pelo que vai quase tudo para exportação. Mas, claro, Portugal não fabrica sapatos ao nível dos das fábricas de Northampton ou algumas dos USA.

VdeAlmeida disse...

Pois aí é que a coisa não bate certa, meu caro JC. Ao contrário do que pensa, por cá já se fazem sapatos ao nivel dos que menciona, superiores até aos Church [hoje, e na minha opinião, os Church estão bem abaixo dos Crockett & Jones, tanto a nivel de modelos como de qualidade de pele (os Church já usam muitas vezes peles sintéticas), e não simpatizo muito com os Alden].
A Mack James, por exemplo, tem uma linha que não vejo por cá, e que se assemelha muito ao que se faz na George Cleverley ou na Graziano & Girling, e inclusive, o designer da MJ foi convidado pela casa Marc Guyot, uma das mais luxuosas boutiques de Paris, para desenhar e executar um modelo exclusivo do qual foram feitos somente 50 exemplares, que foram vendidos aos clientes da referida loja, mediante inscrição prévia. E cada par foi vendido a preço que ficava ao nivel dos melhores Edward Green, e bem avima dos C&J handgrade, que já não são nada baratos.
Ora se se fazem coisas desse nível por cá, porquê então não se vêm à venda, umavez que nem é assim tão difícil encontrar sapatos ingleses,americanos ou italianos?

Abraço

JC disse...

Pq não há mercado, caríssimo. Só isso.
Abraço
JC