sexta-feira, fevereiro 10, 2012

"Salut les Copains"! - 3 temas 3 que o movimento "Yé-Yé" nos ensinou (1)

The Cascades - "Rhythm Of The Rain" (1962)

ensinado por: Sylvie Vartan ("En Écoutant La Pluie")

Quem viveu a adolescência nos anos 60 sabe que muitos dos temas e canções que a povoaram chegaram primeiro até nós através do movimento "Yé-Yé", de "covers" franceses de originais anglo-saxónicos, principalmente americanos. O francês era ainda uma língua importante (cinco anos obrigatórios no liceu) e os USA eram muito longe e as importações de lá vindas caras. Acresce que o UK e os USA eram mercados massificados, de "singles", enquanto França criou uma boa parte do seu mercado discográfico baseando-se nos EP's, de "quatro músicas", como se dizia na altura, o que - penso - seria também mais lucrativo para um pequeno mercado como o portugues. No meu caso, acresce que o francês e a cultura francesa, ao contrário do que acontecia com o inglês, eram-me familiares desde a infância e, mais ainda, uma boa parte dos meus amigos andava no Liceu Francês, o que facilitava as influências.

A qualidade destes "covers" era variável, do razoável ao mau, mas digamos que a média era para o fraquinho. Ficam três dos exemplos mais significativos, com os respectivos originais para comparação.

6 comentários:

VdeAlmeida disse...

Fraquinhos realmente. Mas até gostava da Vartan e da Françoise Hardy (que não pelos seus dotes vocais, if you know what I mean).
Da corrente francesa, para além de alguns magníficos trovadores, no que diz respeito ao movimento yé-yé, só gostava do Jacques Dutronc e achava piada ao Antoine. Ah! Os Chats Sauvages também eram audíveis nalgumas covers
(nos Copains todos, quem eu detestava mesmo era o Halliday)

JC disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
JC disse...

O Halliday era de facto detestável. Mas eu até fui ver a Vartan ao Monumental, claro, não fosse ela uma "brasa". Há um filme emblemático desta época e do movimento Yé-Yé, que me lembro de ter visto no cinema Alvalade: "Cherchez l'Idol", com a Vartan e o Halliday. E ainda hoje me arrepio quando oiço a Vartan a cantar "La Plus Belle Pour Aller Danser". Deixava-nos de coração partido...

ié-ié disse...

De acordo com ambos! Ainda hoje comprei 3 magníficos EPs (franceses) de Françoise Hardy! Que delícia de capas, como eram as de Sylvie Vartan, Sheila...

Aliás, as capas francesas (destas artistas e de outros) são das melhores do mercado discográfico...

LT

VdeAlmeida disse...

É realmente um arrepio, essa canção. Tinha um colega de liceu que só tinha discos da pop anglo-americana. Abria excepção para a Vartan. Era uma paixão devastadora. Também fomos ao Monumental. No célebre concerto da SV, em que o Calvário teve o azar de fazer (meia) 1ª parte. O que o homem sofreu...

JC disse...

A Hardy foi das que evoluiu mtº bem...