segunda-feira, abril 21, 2008

Tiago Monteiro e os subsídios

O secretário de Estado da Juventude e Desporto considera normal o subsídio de dois milhões de euros atribuídos a Tiago Monteiro para a sua participação na Fórmula1. Digamos que tem e não tem razão. Não tem na medida em que a atribuição de um patrocínio desse tipo e nesse montante não costuma ser da responsabilidade directa do governo; tem na medida em que esse mesmo governo (este ou outros quaisquer anteriores) costuma usar algumas empresas públicas ou outras em que, directa ou indirectamente, detém uma posição dominante para conceder patrocínios desse tipo, em que considera o interesse nacional está em causa, sem cuidar de avaliar do seu interesse estratégico para essas empresas e marcas e sem sequer tratar de saber e curar do seu retorno. Assim, de patrocínios com a sua lógica própria de investimento e decisão passam a subsídios a fundo perdido. Nada de muito estranho, pois em número significativo de empresas privadas a lógica que impera é semelhante, neste caso contemplando amigos e conhecidos do "patrão", embora, neste caso, o dinheiro não seja de todos nós. Digamos que, em ambos os casos, apenas mais um retrato da falta de rigor e da irracionalidade de um país.

5 comentários:

Speeder_76 disse...

Pois... mas repara, foi tudo legal. Ele andou a promover o nosso país, andou com um logotipo de Portugal no macacão e na carenagem do carro, e era uma coisinha pequena!


A noticia do Público para mim é estranha. Creio que foi uma tentativa de criar mais um escândalo, e afundar este governo PS (atenção, eu não sou nem apoio este governo!)


Agora, foi lançado contra quem?

Contra o PS? (mas isto aconteceu em 2005...)

Contra o Tiago Monteiro?

Contra a formula 1?


Isso o Público não explica...

JC disse...

De acordo: a notícia do "Público" tem objectivos bem claros e ambos sabemos quais são. Eu bem o entendo, enquanto leitor diário e atento do jornal. Mas isso nada invalida o meu raciocínio, mais abrangente, já que não é avaliado o retorno do investimento e existem metodologias adequadas para o fazer. Só avaliando esse retorno se pode concluir da justeza do investimento, não é assim?
Cumprimentos

Speeder_76 disse...

Isso já é uma questão mais difícil de explicar, meu caro.


O que posso dizer é isto: as corridas de Formula 1 são vistas, em média, por 600 milhões de espectadores, em todo o mundo. Teres essa audiência, durante duas horas, a cada duas semanas, não é para qualquer um. É o evento regular mais visto do mundo. Os Jogos Oimpicos ou o Campeonato do Mundo de Futebol são eventos pontuais, de quatro em quatro anos.


O lucro é tal (transmissões televisivas, publicidade, merchandising...) que o homem que o gere, o inglês Bernie Ecclestone, é um dos homens mais ricos do mundo.


Dezenas de países sonham em ter a Formula 1 nos seus países, porque é popular, e porque atrai dinheiro, porque dá visibilidade aos seus países. Neste momento, a Formula 1 passa por países sem importância nenhuma no automobilismo como a Turquia, o Bahrein, a China, e no futuro, passará também pelos Emirados Árabes Unidos, Singapura e Coreia do Sul.


Aliás, considero uma catástrofe nós termos perdido a Formula 1 em 1997, pois era menos uma fonte de receita importante para os cofres do Estado.


Eu disse em algum lado que isto não era um investimento, era uma pechincha. Se temos "sheiks" árabes a rebentar biliões para receberem a Formula 1 nos seus califados, é sinal que isto tem lucro, não?

JC disse...

Caro Speeder:
Conheço razoavelmente o mundo da Formula1, o "racional" por detrás dos patrocínios, e até já assisti a algumas corridas na área VIP, como convidado. Não está em causa a sua importância como indústria e a sua capacidade para gerar lucros, mas sim a lógica de investimentos em patrocínios das empresas portuguesas. Estará de acordo que a F1 só será interessante para algumas empresas, quando o investimento é substancial e quando as empresas vendem para o mercado global que, como bem diz, é o mercado da F1. Fora disso são "jeitos" feitos aos amigos... Mas isso levar-nos-ia mtº longe.
Cumprimentos

JC disse...

Já agora, como já vi se interessa pela F1, deixo-lhe aqui um link para um pequeno post anterior sobre o assunto:
http://eusouogatomaltes.blogspot.com/2006/12/portugal-e-frmula-um.html