segunda-feira, dezembro 30, 2013

Sobre o SCP - FCP de ontem, metendo "a foice em seara alheia"

  1. Não me lembro de um FCP tão fraco e com um tão elevado número de jogadores apenas medianos. Desde Villas-Boas que a equipa fazia da posse e circulação de bola a sua marca de água, o que a tornava temível e tal até estabelecia um interessante contraste com o modelo de transições rápidas do SLB de Jorge Jesus. Agora parece jogar num modelo "em forma de assim", que temos dificuldade em perceber o que seja. E, claro, com um Lucho a caminho do ocaso, há à frente de Fernando, e quando não joga Jackson, demasiados jogadores apenas medianos, onde Silvestre Varela quase consegue fazer  figura de craque. Licá, Carlos Eduardo, Josué, Ghilas? Gente que há alguns anos, com sorte, jogaria no SC de Braga.
  2. Já vi William Carvalho jogar várias vezes, no SCP e na selecção sub-21, e, confesso, não consigo perceber as razões de tanto entusiasmo. Joga num espaço reduzido, é lento e pouco agressivo, passa quase sempre para o lado ou para quem está "ali ao pé", não sai a jogar e não participa no início das acções ofensivas da equipa, transmitindo-lhe dinâmica. É o que costumo chamar o jogador "tipo matraquilho". Ontem, do outro lado, Fernando até esteve longe de fazer um grande jogo, mas o contraste de estilo e processos é por demais evidente. Se os meus amigos "lagartos" querem elogiar alguém façam-no com Adrien Silva, um nº8 moderno. A jogar assim, será uma injustiça não fazer parte da lista de 23 para o Brasil.
  3. Quando o via no Moreirense estava na cara que Ghilas era o tipo de jogador para uma equipa "pequena/média", capaz de aparecer muito bem nas costas de uma defesa adversária que jogasse adiantada no terreno. Poderoso, móvel, rápido no "sprint" longo e com boa técnica de remate. Assim sendo, tenho enorme dificuldade em perceber o que levou o FCP a contratá-lo. Ou não tenho, porque já  deixei de tentar perceber muitas das contratações do futebol sem ser à luz dos critérios de agentes de jogadores e do papel das equipas "grandes" no financiamento dos clubes de menor dimensão.   

sexta-feira, dezembro 27, 2013

Friday midnight movie (69) - Jess Franco (V)


Filme completo c/ legendas em português

Cavaco Silva e o Tribunal Constitucional

E então, as coisas são assim...

Na gestão da sua imagem, no balanço positivo que possa gerar entre os "likes" e os "deslikes" junto da opinião pública, embora nunca esquecendo as suas lealdades fundamentais e sua posição ideológica de princípio, Cavaco Silva agradou à esquerda, em particular, e à oposição ao governo, no geral, ao ter enviado o diploma sobre a convergência de pensões para o Tribunal Constitucional. No fundo, uma mais do que previsível declaração de uma inconstitucionalidade grosseira, que veio a verificar-se, deixá-lo-ia numa posição difícil caso não o tivesse feito e, além disso, o "chumbo" respectivo, na actual conjuntura, se politicamente tem um significado relevante, em termos orçamentais será ultrapassável pelo governo sem dificuldades de monta. 

Já quanto à verificação preventiva do OE de 2014 - e tentando escrutinar o pensamento de Cavaco Silva -  estamos numa situação um pouco diferente. Para já, e à partida, pensará o actual Presidente da República que é preciso manter - na sua noção do exercício do cargo e dos seus interesses - a "justa proporção", isto é, o seu alinhamento básico com o governo embora piscando, aqui e ali, o olho aos opositores. Ora esse "piscar de olho" estava resolvido, sem danos orçamentais irreversíveis para o governo, com a questão da convergência das pensões, sendo necessário agora "equilibrá-lo", mas num sentido claramente favorável à sua posição ideológica e às suas lealdades fundamentais, com algo bem mais "pesado" e cujo "chumbo" colocaria - ele sim - a coligação Passos Coelho/Portas/"troika" em sérias dificuldades, o que será resolvido com a promulgação do OE do próximo ano, deixando para terceiros o envio para fiscalização sucessiva. E até pode ser, neste caso, que o TC, pronunciando-se já com o OE em vigor há quatro ou cinco meses, possa apresentar, como já aconteceu, uma maior flexibilidade nas suas decisões.

Não querendo acreditar, na sua decisão, tenha Cavaco Silva sido conduzido por interesses mais venais, enquanto pensionista, também não me parece o seu comportamento nestes assuntos tenha sido de algum modo determinado por interesses que lhe são alheios, normalmente identificados por "interesse nacional" (seja lá o que isso for), o que aliás não condiz com o modo como tem pautado o seu comportamento, enquanto político e governante, ao longo de trinta ou já mais anos. Estou errado? Talvez, mas tenho dúvidas...    

quarta-feira, dezembro 25, 2013

Boas Festas!

"A Christmas Gift for You" from Phil Spector

1. White Christmas, Irving Berlin - Darlene Love 
2. Frosty the Snowman, Steve Nelson and Walter Rollins - The Ronettes
3. The Bells of St. Mary's, A. Emmett Adams and Douglas Furber - Bob B. Soxx & the Blue Jeans
4. Santa Claus Is Coming to Town, J. Fred Coots and Haven Gillespie - The Crystals 
5. Sleigh Ride, Leroy Anderson and Mitchell Parish - The Ronettes
6. Marshmallow World, Carl Sigman and Peter DeRose - Darlene Love
7. I Saw Mommy Kissing Santa Claus, Tommie Connor - The Ronettes
8. Rudolph the Red-Nosed Reindeer, Johnny Marks - The Crystals
9. Winter Wonderland, Felix Bernard and Dick Smith - Darlene Love
10. Parade of the Wooden Soldiers, Leon Jessel - The Crystals
11. Christmas (Baby Please Come Home), Ellie Greenwich, Jeff Barry and Phil Spector - Darlene Love
12. Here Comes Santa Claus, Gene Autry and Oakley Haldeman - Bob B. Soxx & the Blue Jeans 
13. Silent Night, Josef Mohr and Franz X. Gruber - Phil Spector and Artists

sexta-feira, dezembro 20, 2013

Friday midnight movie (68) - Gothic/Horror (XVII)

"The Legend of the 7 Golden Vampires", de Roy Ward Baker (1974)
Filme completo c/ legendas em inglês

"Brideshead Revisited" (8/11)

"Brideshead Revisited" (1981) Legendas em castelhano.
8º episódio - "Brideshead Deserted"

Tribunal Constitucional: do que teria gostado

Teria gostado que uma medida tão claramente atentatória de princípios fundamentais do Estado de Direito Democrático, daquilo a que se convencionou chamar - e bem - "democracias liberais", não tivesse tido necessidade de chegar ao Tribunal Constitucional e em Portugal houvesse uma "sociedade civil" (partidos e personalidades da oposição, parceiros sociais, movimento popular, opinião pública, etc) com força suficiente para, à partida, ter imposto ao governo uma derrota política, como aconteceu quando da célebre questão da TSU. A decisão do Tribunal Constitucional parece-me mais do que justa (sobre os meandros de ordem jurídica não me pronuncio), mas a tendência para alguma judicialização da política nunca foi, nem é, boa conselheira.

"ab origine" - esses originais (quase) desconhecidos (47)

"I Fought The Law" - o original de Sonny Curtis & The Crickets (1959)

A bem mais conhecida versão dos Bobby Fuller Four (1965)
#9 no Billboard

quinta-feira, dezembro 19, 2013

"Brideshead Revisited" (7/11)

"Brideshead Revisited" (1981) - Legendas em castelhano.
7º episódio - "The Unseen Hook"

Motor City (13)

The Satintones - "My Beloved" (Motown 1000 - Outubro 1959)

The Santitones - "Sugar Daddy" (idem)

A "unidade de esquerda" e a estratégia do PS

Ora vamos lá ver... O que deveria estar em causa (ou em equação) neste momento não deveria ser uma qualquer mirífica unidade da esquerda (qual esquerda? com que opções? com um PCP que rejeita a democracia liberal, o Euro e a UE?), algo à partida, por condicionalismos internos e externos, condenado ao fracasso, ou mesmo se o PS deverá governar com  PSD e CDS em futuro executivo saído das eleições legislativas de 2015. O que tem forçosamente de estar em causa, neste momento, é a capacidade do PS, antes e depois das próximas eleições legislativas, agregar em torno de uma plataforma por si liderada e com reflexo num futuro governo de coligação todos aqueles - sociais-democratas, liberais-sociais, liberais de esquerda, cristãos-democratas - que se não revêm nas opções radicais do actual governo e na linha dominante no PSD. Esta é a questão-chave, a única opção realista, só possível com uma derrota clara do PSD nas europeias e legislativas que force um afastamento do "passismo" da sua liderança e proporcione uma inflexão nas poucas convicções políticas do CDS. E, claro, para que esta estratégia resulte será também necessário que o PS não perca capacidade de atracção à sua esquerda. O resto, desculpem-me os bem intencionados, é conversa para entreter.

quarta-feira, dezembro 18, 2013

4ªs feiras, 18.15h (60) - "Visconti" (II)

Filme completo c/ legendas em português

Billboard #1s by British Artists - 1962/70 (12)

Petula Clark - "Downtown" (23-01-1965)

Crato: mais um ministro caído ás mãos de Nogueira

O que mais me espanta nos acontecimentos de hoje com a tal prova de avaliação de professores é o modo como alguém tão experiente politicamente, que, inclusivamente, fez o seu tirocínio e se formou na "boa e velha escola" do marxismo-leninismo, se deixou enredar numa teia da qual era fácil de ver não sairia incólume, e cujo resultado prático é, mais uma vez, o reforço as posições de Mário Nogueira e da Fenprof. E tudo isto por uma questão que, em minha opinião, está longe de ser essencial, mesmo fazendo um esforço para me colocar "nos sapatos" (e na estratégia) do ministro Crato. Ou acharia o ministro que os sindicatos da UGT (outra derrotada do dia) riscam alguma coisa nesta questão do sindicalismo e da mobilização dos professores? Quando uma das primeiras acções do seu "consulado" foi transformar numa caricatura a avaliação de professores herdada dos governos PS, "comprando créditos" à Fenprof, pensava teria percebido. Pelos vistos, ou não percebeu ou rapidamente se esqueceu.

terça-feira, dezembro 17, 2013

"Brideshead Revisited" (6/11)

"Brideshead Revisited" (1981) Legendas em castelhano.
6º episódio - "Julia"

Seara no CND

Nomear para o Conselho Nacional do Desporto (CND) alguém que se distinguiu e ganhou notoriedade pela sua participação em pseudo-programas televisivos onde mais não se faz do que criticar arbitragens e duvidar da idoneidade moral de quem dirige os jogos, apelar implicitamente a comportamentos incorrectos e desculpabilizar a violência, alimentar o facciosismo e a "clubite" exacerbada, só pode mesmo ser uma brincadeira de péssimo gosto. Depois queixem-se e não se esqueçam dos discursos hipócritas de ocasião quando os problemas acontecem.

O governo, o "regresso aos mercados" e a gestão da informação

Já não existiam dúvidas de que o governo se preparava para alcandorar o Tribunal Constitucional à categoria de "bode expiatório" de tudo o que corresse mal no tão propalado "regresso aos mercados". Tal não é novo, o governo tem vindo a fazê-lo e mesmo muitos comentadores já o tinham afirmado. Mas ontem ficámos a saber um pouco mais: ficámos também a saber que o governo está já a negociar com as instituições europeias a forma e o conteúdo da tal "coisa" (na feliz expressão de Jerónimo Sousa) que apoiará Portugal nesse regresso aos mercados, mas só o anunciará depois do Tribunal Constitucional se pronunciar sobre das algumas normas em apreciação, justificando a dureza das medidas que acompanharão o tal apoio com quaisquer eventuais chumbos por parte juízes do TC. Direi mesmo mais: ficámos também a saber, lendo nas "entrelinhas", que o governo (e até talvez o BCE) está mesmo "morto" por que esse chumbo aconteça. No fundo, o que o governo está a fazer é a exercer o seu direito de gerir a informação. Eu, que não sou dos que pensam os governos e os responsáveis políticos devem sempre falar verdade ao "povo", abdicando de gerir essa tal informação, posso ser adversário - e sou - deste governo, mas, neste caso, não criticarei demasiado a opção tomada. 

segunda-feira, dezembro 16, 2013

"Brideshead Revisited" (5/11)

"Brideshead Revisited" (1981) Legendas em castelhano.
5º episódio - "A Blow Upon a Bruise"

Villas-Boas e os "seus" 100 milhões

Porque é que André Villas-Boas foi despedido dos Spurs? Muito simples: mais do que os resultados, relativamente medíocres; mais dos que duas goleadas sofridas, uma delas em casa e contra o Liverpool que nem sequer é candidato ao título, olhamos para o plantel do clube depois de 100 milhões investidos em contratações e vemos apenas jogadores medianos ou pouco mais do que isso (a nível internacional, claro). O "ponta de lança" mais utilizado (1107' e apenas 4 golos) é Roberto Soldado, que custou 30 milhões (£26); olhamos para o 1/2 campo e não vemos um jogador de verdadeira classe, que faça a diferença, e o melhor elemento da defesa, o central Vertonghen, mesmo assim longe de estar na primeira linha dos defesas europeus, tem jogado não raras vezes a lateral-esquerdo. Por isso, mesmo quando ganha, a equipa joga um futebol apenas esforçado, organizado mas sem brilho, cinzento, que não empolga e Villas-Boas vai mexendo demais na equipa talvez à espera de encontrar o rasto, o retorno e o "payback" dos seus 100 milhões investidos. Na época passada tinha Bale. Agora, olhamos para a equipa, comparamos com os rivais e perguntamos onde estão os Rooney, os Van Persie, os Evra, os David Silva, os Negredo, os Ya Ya Touré, os Hazard e os Ramires, os Luis Suarez. Sem Villas-Boas a equipa pode melhorar? Um pouco, basta estabilizar. Mas o problema fundamental está nas contratações, no plantel e aí pouco há a fazer.  

Lucy in the Sky with Diamonds (34)

O polícia parisiense

Paulo Valente Gomes, ex-director nacional da PSP demitido (ou que terá apresentado a sua demissão, tanto faz) na sequência da manifestação das forças de segurança junto da Assembleia da República, pode ter todos os requisitos que o recomendem para o cargo de oficial de ligação da Embaixada de Portugal em Paris. Poderá mesmo ser a pessoa melhor qualificada para ocupar tal cargo, falar francês desde pequenino, conhecer de cor o mapa da cidade e ser íntimo de Arlettes e Babettes, ou do Jean Marais que Deus tem. Mas mandaria o mais elementar bom-senso político, apesar de todas essas possíveis qualificações, não fosse nomeado para tal cargo ou qualquer outro que pudesse ser interpretado como promoção ou funcionasse em seu benefício. Ou que desse a entender ter estado na base da sua demissão qualquer troca de favores políticos, ou outros. Assim, com esta nomeação, o ministro deu um tiro no seu próprio pé, o que é o menos; mas, o que já é bem mais grave, acertou em cheio com mais uma granada de morteiro na credibilidade da democracia e do regime. Mas é "apenas" mais uma... 

sexta-feira, dezembro 13, 2013

Friday midnight movie (67) - Gothic/Horror (XVI)

"Quatermass and the Pit", de Roy Ward Baker (1967)
Filme completo c/ legendas em português

Billboard #1s by British Artists - 1962/70 (11)

The Beatles - "I Feel Fine" (26-12-1964)

A entrevista(?) de Passos Coelho

Mais do que a uma entrevista, que nenhuma questão de actualidade justificava (mesmo o OE quase não foi abordado), Passos Coelho e o governo tiveram ontem direito a um gigantesco "tempo de antena", oferecido pela TSF e pela TVI e proporcionado por dois jornalistas demasiado dóceis que actuaram mais como "régisseurs" de pista de um qualquer circo pretensioso, quais Mr. François França dando as "entradas" para que o "verdadeiro artista" pudesse brilhar, do que como gente que pretende dignificar-se e à sua profissão. Sendo a TVI e a TSF empresas privadas, embora no caso da TSF tenha hoje em dia dúvidas sobre o grau de tutela exercido pelo Estado angolano, estão ambas no seu pleníssimo direito, embora mande o rigor que se designe cada coisa pelo nome que melhor a defina. E chamar entrevista (e, já agora, jornalismo) àquilo a que assistimos, devo dizer me parece francamente exagerado. Enfim... são estes os tempos que vivemos.

Já agora: a única novidade digna desse nome foi termos ficado a saber que Passos Coelho gostaria de "amarrar" o CDS a uma coligação para as próximas eleições, "armadilhando" assim Paulo Portas (irrevogavelmente) e o seu partido à actual governação. Para os que tinham dúvidas - e eu nunca as tive - está bem à vista o que Portas ganhou com a sua demissão "irrevogável" e com a sua "promoção" e a do seu partido no seio do actual governo. Foi buscar lã e saiu "peladinho". Digamos que não foi mal feito.

quinta-feira, dezembro 12, 2013

"Brideshead Revisited" (4/11)

"Brideshead Revisited" (1981) Legendas em castelhano.
4º episódio - "Sebastian Against the World"

Chuck Berry - original Chess recordings (3)

"Thirty Days" - gravação de Setembro de 1955 (Chess 1610, "a" side)

Da notoriedade mediática de Alexandre Soares dos Santos


Infelizmente, e apesar do desassombro - que saúdo - do artigo de Daniel Oliveira, a questão da enorme exposição mediática de alguém que, sendo um excelente empresário, é também um iletrado político, acumulando nesta área afirmações disparatadas, não se restringe ao crescimento dos extratos bancários dos jornalistas ou às oportunidades de carreira que um empresário como Soares dos Santos pode oferecer. Aliás, seria bem mais simples se assim fosse, embora saiba e admita tal terá o seu peso, não sendo, como o não são, os jornalistas "virgens vestais". O problema é mais vasto e tem a ver com o modo como a ideologia ultraliberal impregnou todo o pensamento político (?) e sobre a política - desvalorizando-os bem como ao papel do Estado - e fazendo, em sua substituição, das empresas e da sua gestão exemplos e modelos que apenas se tornaria necessário copiar e ampliar para a escala de um país e/ou de uma sociedade para que ambos pudessem ser tão bem sucedidos quanto um grupo empresarial. Assim sendo, nada como, sob a capa de um saber baseado no sucesso competitivo, dar voz política (repito: política) a empresários, apresentado-os e às suas propostas e soluções, credibilizadas por esse sucesso empresarial, como modelos que os países deveriam seguir e adoptar para que igual êxito lhes batesse à porta. O que dizem pode ser um "chorrilho" de disparates? Na maior parte dos casos é isso que acontece, mas como as afirmações servem  ou estão próximas do "pensamento dominante", lá estão jornalista e "meio" para lhe concederem a credibilidade necessária. Aliás, as analogias não se ficam por aqui e é frequente também assistirmos, principalmente quando se fala do chamado "ajustamento", à comparação entre as opções de natureza económica a tomar pelo Estado e pelas "famílias", em situações que nos são apresentadas como semelhantes, no que constitui mais um exemplo do pensamento redutor. Onde estão, neste e noutros casos, os arautos tão anti-igualitários" do "tratar de modo diferente o que é diferente? 

Concordando ou discordando do que escrevem e/ou do posicionamento político e ideológico de cada um deles, é o combate a esta "ideologia dominante", ao "pensamento único" de desvalorização e da autonomia da política, que se deve saudar em gente tão díspar nas suas ideias como o são, entre os comentadores, Daniel Oliveira, Pedro Adão e Silva e Pedro Marques Lopes e poucos mais; e, entre os políticos, retirados ou no activo, nomes como Mário Soares, Pacheco Pereira, Bagão Félix, Manuela Ferreira Leite e Adriano Moreira, que lá vão fazendo um esforço para tornar o espaço mediático num lugar um pouco mais recomendável. Valha-nos isso e , no momento actual, convenhamos que já não é pouco.

quarta-feira, dezembro 11, 2013

"Brideshead Revisited" (3/11)

"Brideshead Revisited" (1981) - Legendas em castelhano.
3º episódio - "The Bleak Light of Day"

4ªs feiras, 18.15h (59) - "Sword & Sandals" (VI)


"The Egyptian", de Michael Curtiz (1954)
Filme completo c/ legendas em português

Nadir Afonso (1920 - 2013)


O SLB e a Champions League.

Caso o SLB, como era sua obrigação, tivesse conseguido a qualificação para os 1/8 de final da Champions League no lugar do Olympiacos, quais seriam os seus possíveis adversários? Ora tomem lá nota: Manchester United, Real Madrid, Bayern Munique, Chelsea, Borussia Dortmund, Atlético e Barça. Que quero dizer com isto? Que os 1/4 de final são o limite a que qualquer equipa portuguesa pode aspirar e para lá chegar é quase indispensável ficar no primeiro lugar do seu grupo (o que constitui também problema "bicudo"), para que possa defrontar nos 1/8 de final um dos segundos classificados, aumentando assim exponencialmente as suas chances. Afirmar - ou até mesmo "sonhar" - diferente é apenas utopia ou, pior ainda, populismo do mais rasteiro. Significa isto que "passar" ou não o seu grupo é indiferente? Claro que não: há dinheiro (muito) em jogo, valorização de jogadores (essencial no modelo de negócio de SLB e FCP) e a dinâmica que se cria na equipa e nos adeptos, jogando e participando numa competição a alto nível. Tendo dito isto, e um pouco como moral da história, conclui-se que com Jorge Jesus as prestações do meu clube na Champions League só há duas épocas (1/4 de final com o Chelsea) atingiram  a nota máxima. É pouco, e muito abaixo do exigível para o investimento realizado.

segunda-feira, dezembro 09, 2013

"Brideshead Revisited" (1/11)

"Brideshead Revisited" (1981) - Legendas em castelhano
1º episódio - "Et in Arcadia Ego"

Motor City" (12)

The Miracles - "You Can Depend On Me" (Setembro de 1959)

A "manif" e a tolerância de ponto

Peço imensa desculpa aos trabalhadores dos Estaleiros de Viana do Castelo, ao povo do concelho e à respectiva Câmara Municipal. E peço desculpa porque reconheço estão a lutar pelos seus legítimos direitos, pelo seu futuro e pelo futuro da cidade e da região, tudo coisas pelas quais tenho o máximo respeito. Independentemente da justeza da actual decisão do governo, do facto dela ser correcta ou incorrecta, a possível, a melhor ou até muito má, desejo mesmo que a "manif." da próxima sexta-feira seja um sucesso e contribua para que se consiga encontrar uma solução melhor do que a actual para os estaleiros, seus trabalhadores, cidade e concelho. E se, para além disso, contribuir, por pouco que seja, para fazer a vida um pouco mais negra a este governo radical e revolucionário, pois ainda bem. Mas ao ler que a Câmara Municipal resolveu dar tolerância de ponto para que os seus trabalhadores possam participar no protesto, sou incapaz de não me lembrar das "manifestações espontâneas" do tempo da ditadura, com Legião, sindicatos corporativos e tudo. Sim, sei que estou talvez a ser injusto, mas o passado, que aqui e ali assalta a todos um pouco, principalmente quando ele já é maior do que o previsível futuro, tem mesmo destas coisas. Desculpem lá qualquer coisinha, mas não podiam ter resolvido o problema da ida à manifestação de qualquer outra maneira?

domingo, dezembro 08, 2013

sexta-feira, dezembro 06, 2013

Friday midnight movie (66) - Gothic/Horror (XV)


"Man In The Attic", de Hugo Fregonese (1953)
Filme completo c/ legendas em castelhano

SLB - F. C. Arouca: estou farto!

  1. Já disse e vou repetir: contra equipas que jogam em bloco baixo e com as suas linhas muito juntas, o que acontece com grande frequência nos jogos na Luz, o SLB, sem extremos rompedores como Sálvio ou Di Maria e sem um jogador como Cardozo que "inventa" golos do nada, tem de ter atrás do ou dos "pontas de lança" um jogador inteligente que saiba jogar nos pequenos espaços, em tabelas e desmarcações curtas, criando espaços onde eles não existem. Sem isso, não só se arrisca a não ganhar, como nem sequer consegue criar as chamadas oportunidades de golo. Hoje, mais uma vez.
  2. E depois não se percebe como tendo jogadores no seu sector defensivo com indiscutível qualidade, continua o SLB, há meses, a sofrer golos infantis em lances de bola parada. Até do Arouca. Que fazem nos treinos? 
  3. Outra coisa que não se percebe é porque jogou Cortez, já com malas aviadas para regressar às origens. Para poupar André Almeida para terça-feira? Mas qual, para Jorge Jesus, a probabilidade do SLB ganhar ao PSG e do Olympiacos não o conseguir fazer frente ao Anderlecht? Cortez foi uma avenida a saiu no final da primeira-parte, achincalhado pelo público. Equívocos atrás de equívocos, e só admiro a paciência dos meus consócios. Por mim, estou farto!

"ab origine" - esses originais (quase) desconhecidos (46) - lembrando Nelson Mandela

Dorothy Masuka - "Pata Pata"
O tema original (1957)

O mega-êxito (#12 no Billboard em 1967) de Miriam Makeba, cantora sul-africana radicada nos USA e grande activista dos direitos cívicos e da luta anti -"apartheid". 

quinta-feira, dezembro 05, 2013

Um PS sem estratégia

  1. O PS é contra a cobrança de taxas no Multibanco. Trata-se de uma afirmação popular, como tal destinada a render uns "votozitos", já que toda a gente, excepto naturalmente os banqueiros e seus representantes, não quererá ver o seu orçamento sobrecarregado com mais gastos, acrescendo que os Bancos não serão hoje - e com razão - as instituições mais populares no mundo civilizado. Mas, claro, convém lembrar que estamos ainda perante o que se pode chamar de "uma vaga ideia", apenas uma hipótese catapultada para a actualidade por um Fórum TSF onde um assunto deste tipo rende sempre popularidade fácil. Que um partido de governo, como o PS, venha de imediato a terreiro por aquilo que quase se pode considerar ainda um "não-assunto", já só a mais despudorada "caça ao voto" pode explicar.
  2. O PS defende a demissão de Nuno Crato. Certo, estamos perante talvez o mais radical e "revolucionário" dos ministros deste governo, com uma agenda ideológica marcada que tem tudo para correr mal - ou até muito mal. Mas faz sentido, não estando em causa razões como a sua idoneidade (não atentou nem mostrou desrespeito pelo Estado Democrático, não mentiu ao Parlamento, não consta tenha cometido ou se suspeite tenha cometido ilegalidades graves no passado ou na sua vida "civil" - digamos assim -, com repercussões na sua vida política, etc), pedir a demissão de um ministro de um governo legitimamente eleito apenas por discordância com a sua linha política? Até porque, ao contrário do que aconteceu com Passos Coelho, Crato nunca escondeu ao que vinha e dedicou até vários anos a anunciá-lo. Cavaco Silva, por exemplo, no "caso das escutas", conspirou e atentou contra o governo legítimo da República, o que é de gravidade extrema, e infelizmente nunca vi o PS pedir a sua demissão.
  3. O PS é favorável a uma comissão de inquérito aos estaleiros de Viana do Castelo, aderindo assim à proposta do PCP. Certo: todos temos dúvidas, muitas ou poucas, sobre o modo como se processou a gestão da empresa e sobre as decisões que conduziram à actual situação. E, como é evidente, é a Assembleia da República o local adequado para que tudo se esclareça. Mas, devo dizer, aqui concordo com a posição do PSD: se estamos ainda em pleno processo de audições, porque não se aguarda a sua conclusão, para depois, caso exista matéria que o justifique, se decidir sobre a necessidade ou não da referida comissão? É este o procedimento normal, não é assim?
Bom, serve todo este "arrazoado" para concluir que, infelizmente, o PS parece estar sem estratégia, como que encurralado, decidindo assim atirar a tudo o que mexe com esperança tal o possa salvar. Até poderá resultar, e pode ser que o PS consiga assim chegar ao governo em 2015. Mas o problema, num país em que os cidadãos desconfiam (ou até pior do que isso) dos partidos e dos políticos, o pior, dizia, virá depois.

Billboard #1s by British Artists - 1962/70 (10)

Manfred Mann - "Do Wah Diddy Diddy" (Jeff Barry - Ellie Greenwich)
(17-10-1964)
Nota: o tema é um "cover" de um original de 1963 dos americanos...

...The Exciters

quarta-feira, dezembro 04, 2013

4ªs feiras, 18.15h (58) - Western (VIII)


"Vera Cruz", de Robert Aldrich (1954)
Filme completo c/ legendas em português

Ricardo Quaresma, o FCP e o mercado

Contratar um jogador que nunca passou de um "jongleur", um mero artista de circo que não faz a mínima ideia do que são uma equipa e um jogo de futebol; cuja carreira - sempre descendente depois de ter saído do FCP - nos clubes por onde passou foi uma sucessão de falhanços, equívocos e comportamentos de profissionalismo duvidoso, é sinal de quê, depois dos casos Liedson e Izmailov? Não acreditando que a Administração do FCP tenha entrado em paranóia - embora isso também possa ter acontecido, tal como acontece com os ditadores quando a idade e o poder lhes tolda o raciocínio e passam a julgar-se todo-poderosos - sinal de alguém - dizia - que, por um conjunto de razões, terá pouca capacidade para se movimentar autonomamente no mercado, arriscaria eu. Era isso, e não um medo terrível de dizerem o que efectivamente pensam (os que o sabem fazer, e que são poucos) sobre o profissional de futebol Ricardo Quaresma, em conjunto com uma tendência sem freio para o populismo sebastianista, que gostava de ver investigado e esclarecido pelo jornalismo desportivo. Vou esperar sentado.

segunda-feira, dezembro 02, 2013

Chuck Berry - original Chess recordings (1)

"Maybellene" - gravação de 21 de Maio de 1955 (Chess 1604, "A" side)

Os estaleiros de Viana e a intervenção de um sindicalista

Podemos ter as maiores dúvidas sobre o modo como foi conduzido o processo que agora culminou na sub-concessão dos Estaleiros de Viana do Castelo, e eu, que por princípio não vejo razão para o Estado ser dono da empresa, até tenho algumas que gostava de ver esclarecidas em sede própria, isto é, na Assembleia da República. Sou mesmo de opinião que, caso se detectem quaisquer indícios que apontem para a possibilidade de terem existido comportamentos criminalizáveis, desta ou de anteriores administrações, deste ou de qualquer dos anteriores governos, deve o assunto ser entre à Procuradoria Geral da República, para investigação. Mas tendo dito isto, depois de ouvir a desastrada intervenção de hoje, no "Fórum TSF" (ouvir a partir dos 6'), do coordenador da União dos Sindicatos de Viana do Castelo, quase me apetece "comprar", de imediato e sem hesitar, a versão do governo. Ou outra qualquer, excepto a dos sindicatos.

Quando é que esses mesmos sindicatos entendem que para fazerem valer as suas ideias - admito que muitas vezes justas, principalmente nos tempos que vão correndo - num país hoje em dia já bem mais "letrado" e maioritariamente não muito inclinado a demasiadas simpatias pela actividade sindical, não bastam meia-dúzia de ideias e frases feitas e a utilização de um estilo mais ou menos "troglodita", e que isso pode mesmo ser contraproducente? Segundo o coordenador da União dos Sindicatos, existe muita demagogia à volta do assunto. Concordo, mas tenho pena quem o diz não resista à tentação de a alimentar.

O FCP e a escolha de Paulo Fonseca

Que tem Paulo Fonseca a ver com Vítor Pereira, André Villas-Boas, Jesualdo Ferreira e José Mourinho? Obviamente que nada. Não vem na linha de um conjunto de treinadores com formação académica, nunca conheceu o futebol "à séria" (Mourinho já tinha passado pelos SCP e pelo Barça, em funções secundárias, e pelo SLB como treinador, Villas-Boas tinha acompanhado aquele no Chelsea e Inter e Vítor Pereira já conhecia bem o clube, enquanto Fonseca se limitou a treinar o Pinhalnovense, o Desportivo das Aves e o FC Paços de Ferreira) e, também ao contrário dos seus antecessores, fez carreira como jogador profissional, embora a um nível mediano, que é o mesmo que dizer, provinciano. Significa isto que nem o FCP, com toda a "influência" que ainda detém nos bastidores do futebol português (basta ver o mais do que ridículo "penalty" assinalado a seu favor no jogo com a AAC) e com a tal "estrutura" de que tantos gostam de falar para explicar o que é bem mais facilmente explicável por palavras mais claras, consegue escapar a uma má escolha de treinador, isto é, uma escolha que não obedece a quaisquer critérios de racionalidade e vem ao arrepio da lógica que presidiu a melhor sucedidas escolhas anteriores. Se a administração do FCP fez essa escolha com total liberdade ou não (e estou obviamente a falar de Jorge Mendes) é circunstância que desconheço. Mas não só tal não a iliba de responsabilidades, como, a ter acontecido o condicionalismo, até constituirá mesmo circunstância agravante. Por mim, como benfiquista, agradeço a "graça concedida".