sexta-feira, julho 27, 2007

Fim de semana

O autor deste blog estará de fim de semana prolongado nos próximos dias, veraneando entre o Monte Novo do Corujo da Várzea, onde não há internet, e a praia do Malhão, onde não há bolas de berlim (com ou sem creme), "tascos" de praia ou empreendimentos nas falésias. Assim sendo, o blog voltará à sua normal actividade na próxima 4ª feira.

Gothic Horror (2)

" Frankenstein", de James Whale (1931)

"Da cabeça ao rabo é tudo touro"?

Algo que se está a tornar num hábito no comentário, análise e combate políticos é a não gradação dos factos que lhes dão origem, isto é, a sua não hierarquização em função da sua gravidade para a vida democrática ou da sua importância estratégica. Penso que a sua origem estará na subordinação total da agenda política à agenda mediática, num panorama de crescente tablóidização desta última com a necessidade de colocar em destaque os temas mais populares, de maior audiência, e os de maior impacto participativo nos vários foruns televisivos e radiofónicos. Já dei como exemplo dois casos, que incluo na chamada “petite politique”, com peso e importância muito diferentes (o caso dos pseudo manifestantes vindos da província para “aplaudir” António Costa e o da “forjada” sala de aula dos quadros interactivos) mas que foram valorados de modo praticamente idêntico. Outro exemplo é o modo como foram tratados o chamado caso Charrua/DREN e o do Centro de Saúde de Vieira do Minho. Se, no primeiro caso, independentemente do aproveitamento político que se lhe seguiu, mandaria o bom senso, o saudável convívio empresarial, o exemplo e a correcta gestão de recursos humanos que uma delação não visse premiado o seu autor com a abertura de um processo disciplinar ao visado, no caso do Centro de Saúde de Vieira do Minho trata-se de um caso, puro e simples, de insubordinação e indisciplina, permitindo-se um funcionário afixar um cartaz em que se denegria, em local de acesso público, a imagem do ministro da tutela. Por muitas razões que lhe assistissem e por muito bom humor que manifestasse, um Centro de Saúde não será propriamente um anfiteatro numa récita de finalistas.

Por último, um exemplo talvez mais extremo: nenhum destes casos tem importância comparável ao da construção da nova infra-estrutura aeroportuária, do TGV ou da reforma da Administração Pública. Nos casos anteriores estamos a falar de questões pontuais, inerentes ao normal fluir do dia-a-dia da vida política democrática, independentemente dos juízos que sobre eles possamos formular e da correcta ou incorrecta decisão dos intervenientes. A sua repercussão será, naturalmente, limitada. Nestes últimos casos estamos a falar de decisões estratégicas, cujas opções, correctas ou incorrectas, num sentido ou noutro, irão ter enormes e decisivas repercussões na vida do país e no bem estar dos seus habitantes nas décadas seguintes. Seria do mais elementar bom senso ter isto em atenção. Ou será que "da cabeça ao rabo é tudo touro"?

L. F. Vieira e Fernando Santos

Ao trocar jogadores europeus experientes (Karagounis, Miccoli e Simão) por jovens promessas e jogadores de segunda linha do futebol sul americano, a direcção do Sport Lisboa e Benfica está a optar por uma política de alto risco, totalmente contrária ao que mandariam as regras para quem não se pode dar ao luxo de não conseguir resultados no curto prazo. Às vezes a sorte sorri; desdenha das probabilidades e tudo funciona ao contrário do que a lógica ditaria. Mas, para o caso de isso não acontecer, Luís Filipe Vieira vai já tratando de dizer que “qualquer treinador ficaria feliz com o plantel do Benfica”, o que significa, literalmente, preparar-se para oferecer Fernando Santos em sacrifício se a lógica mandar.

O barómetro Marktest e o PSD

Segundo o barómetro TSF/DN/Marktest, o PS continua em terrenos de maioria absoluta. Em qualquer empresa, resultados deste tipo obtidos pelo líder, depois de um período de recessão do mercado, aparente desfasamento dos produtos por ele – líder - propostos face às expectativas dos consumidores e fortes investimentos da concorrência no sentido de expandir o mercado e melhorar a sua quota, levariam o principal concorrente a re-avaliar a estratégia, verificar a consonância dos planos de acção, medir a eficácia do investimento realizado e, por fim, rever o seu posicionamento ou o dos produtos por si propostos. Só depois, se fosse caso disso, pensaria nos eventuais ajustamentos necessários ao nível dos seus recursos humanos, no sentido de formar a equipa mais eficaz para implementar as novas propostas, quer ao nível de gestores e executivos quer mesmo de middle management.

Aparentemente, com excepção do caso do no aeroporto em que conseguiu um sucesso assinalável (a maioria dos portugueses é contra a nova mega-estrutura e, ainda mais, contra a sua localização na Ota) o PSD não pensa assim. Tanto pior. Não para ele – PSD - mas para todos nós.

quinta-feira, julho 26, 2007

História(s) da Música Popular (52)

Neil Sedaka - "Calender Girl" (Howie Greenfield-Neil Sedaka)
The Brill Building (III)
Nesta caminhada pelo Brill Building vamos ainda muito no princípio e no mais inocente; mas também caminhamos de forma ascendente. Continuando com a dupla Howie Greenfield – Neil Sedaka e a voz do próprio Sedaka, se “The Diary” foi #14 em 1959 e “Oh, Carol!” #9 no mesmo ano, este “Calender Girl”, de 1960, atinge o #4 e é a nossa penúltima incursão no trabalho da dupla.

E como desta vez temos vídeo, qual escolhe?

The Hammer Collection (4)



"The Brides Of Dracula" (1960), de Terence Fisher

Simão...

Apesar da venda (acertada) do passe de Simão Sabrosa por vinte milhões de euros (mais direito de opção sobre dois jogadores da lista de dispensas do Atlético – direito que não vale por certo 5 milhões, nem nada que se pareça) o Benfica continua a ser, dos três grandes, o clube que mais “perde” neste defeso.

Em primeiro lugar porque, apesar de se tratar de um negócio inevitável, é o que realiza um menor encaixe financeiro e uma mais-valia inferior (Simão foi a contratação mais cara antes de Cardozo). Em segundo lugar porque Simão era, sem qualquer dúvida e a grande distância, muito mais influente no rendimento da equipa do que Nani, Anderson ou Pepe no Sporting e FCP. Em terceiro lugar, porque o acesso à "Champions League" não está garantido, e dele depende, em grande parte, a facturação da época. Por último, o Benfica é, dos três “grandes”, aquele que mais se encontra pressionado em termos de resultados desportivos, não podendo, sob risco de decadência acelerada, mantê-los ao nível actual.

quarta-feira, julho 25, 2007

E Alegre se fez triste...

Algo que me apetece dizer depois de ter lido o artigo de Manuel Alegre no “Público”.

Manuel Alegre é hoje em dia um político conservador (o que já tinha sido visível na sua campanha presidencial), com uma ideologia estruturada em torno de um nacionalismo serôdio e proteccionista e um eurocepticismo onde pontifica alguma saudade por uma certa grandeza da “pátria” em torno de um império (que, curiosamente, ajudou a combater) já não considerado na sua dimensão territorial mas num novo espaço cultural e linguístico onde Portugal ocuparia uma posição central e dominante. Tudo isto embrulhado em algum populismo basista, apoiado nos sectores menos dinâmicos da sociedade, e num dirigismo estatizante (o que é diferente da defesa do estado social) que, apesar da defesa sincera que faz das liberdades públicas, o aproxima mais de certos “socialismos” terceiro-mundistas, de raiz militar, dos anos 70 do século XX do que da social democracia europeia contemporânea.
É uma amálgama política e ideológica que vai ao encontro de alguns sectores (funcionários públicos, professores) que, não se reconhecendo no PCP ou no Bloco, se sentem como que abandonados pela política de reformas do PS de Sócrates.

William Blake: "Songs of Innocence and of Experience" (16)

I love to rise in a summer morn
When the birds sing on every tree;
The distant huntsman winds his horn,
And the skylark sings with me.
O! what sweet company!

But to go to school on a summer morn,
O! it drives all joy away;
Under a cruel eye outworn,
The little ones spend the day
In sighing and dismay.

Ah! then at times I drooping sit
,And spend many an anxious hour,
Nor in my book can I take delight,
Nor sit in learning's bower,
Worn thro' with the dreary shower.

How can the bird that is born for joy
Sit in a cage and sing?
How can a child, when fears annoy,
But droop his tender wing,
And forget his youthful spring?

O! father and mother, if buds are nipped
And blossoms blown away,
And if the tender plants are stripped
Of their joy in the springing day,
By sorrow and care's dismay,

How shall the summer arise in joy,
Or the summer's fruits appear?
Or how shall we gather what griefs destroy,
Or bless the mellowing year,
When the blasts of winter appear?


"The School Boy" - poema e ilustração de William Blake para "Songs of Innocence and of Experience".

O pseudo jornalismo

A propósito da notícia do “Record” (não "linkável") sobre a “combinação” de uma “notícia” entre António Tavares Teles e o “ex-companheiro” de Carolina Salgado.

Sem entrar nas ridículas histerias (não vem aí nenhuma ditadura ou ameaça grave) que por aí circulam, a tendência governamental para o controle da informação é preocupante e algo que deve ser enérgica e eficientemente combatido. Com seriedade. Mais, cada orgão de comunicação social deve ser livre de definir e exprimir uma linha política e informativa, dentro das regras deontológicas, sendo o pluralismo assegurado pela diversidade do seu conjunto e, caso existam, pelos que se integram no serviço público. Tudo isto já foi dito e é chover no molhado. Mas penso seria do mais elementar bom senso que os jornalistas, de vez em quando, dessem uma “espreitadela” ao interior da própria classe. Só de vez em quando, está bem? Não é por nada; apenas por causa dos telhados de vidro. E, já agora, comecem pela imprensa desportiva. Não é por especial aversão ou preconceito; é apenas porque é mais fácil. Basta levantar uma ponta do véu!
Ou será que querem dar a razão ao ministro Santos Silva?

terça-feira, julho 24, 2007

Liga Ibérica de Futebol Profissional

Presidentes das duas ligas ibéricas de futebol profissional vão reunir-se. Primeiro passo para a futura criação de uma liga única, única hipótese de sobrevivência do futebol profissional em Portugal?

Os militantes de "Alguidares de Baixo" e as crianças dos "quadros interactivos" - com Zita Seabra a abrilhantar

Utilizar militantes, gente pobre e ignorante de Alguidares de Cima ou de Baixo - da Merdaleja do ex-Herman José - para, com o pretexto de uma viagenzita “à borla”, vitoriar o PS em Lisboa no dia das eleições municipais, apesar de se incluir na categoria de “petite politique” e como tal dever ser tratado, é uma atitude ignóbil, que revela uma concepção instrumental da democracia e das pessoas tornadas meros figurantes, pagos em géneros, cuja ignorância e pobreza é explorada em nome de uma concepção mediatizada do poder. No fundo, nada de conceptualmente muito diferente do que acontece nos reality shows televisivos, mas, neste caso, situação agravada pela natureza do promotor e ignorância dos contratados pelo seu papel no espectáculo. É sintoma de um atraso que, assim, se tende a perpetuar.

Contratar crianças livremente, através de uma agência profissional credenciada para o efeito e de acordo com as disposições legais (se, de facto, assim foi), para, encenando uma sala de aula, fazerem a demonstração, a transmitir via TV, de novas funcionalidades de futuro (espera-se) colocadas pelo governo à disposição de um número significativo de alunos, seus pares, é algo que me parece absolutamente normal. Mais ainda, desejável como exemplo: já que demonstra algum profissionalismo e rigor na sua concepção, indispensáveis a uma comunicação eficiente e a um país com futuro.

De facto, há pessoas, como Zita Seabra, que não mudam: colocam apenas uma mesma personalidade (uma e só uma) ao serviço de causas diferentes. Só espero que, antes de começar a erguer o punho tipo reflexo condicionado, alguém venha ainda a tempo de lhe explicar que o PSD é um partido democrático, do chamado "arco governamental".

Cinema e Rock & Roll (9)


"Love Me Tender" de Robert D. Webb (1956)

É a estreia de Elvis no cinema e o único dos seus filmes em que não é personagem principal. Aliás, parece que um dos principais problemas com o Elvis-actor terá sido o da má qualidade dos papéis que lhe terão sido propostos. Consta que alguns mais atractivos terão estado na calha (citam-se, como exemplos, "West Side Story" e "Sweet Bird Of Youth" - em português "Corações na Penumbra") mas que, por uma ou outra razão, terão dido recusados pelo seu agente (o célebre "Colonel" Parker) ou pelo próprio Elvis. Digamos que no caso de "Sweet Bird Of Youth" até talvez tenha sido uma benção!

O filme conta ainda com a presença de Debra Paget e tem como tema as tensões provocadas pela Guerra da Secessão numa família sulista.

Aqui, Elvis canta um algo xaroposo (tipo "música para constituir família") "Love Me Tender" (5 semanas consecutivas como #1 no Billboard), canção baseada num velho tema da Guerra da Secessão re-arranjado pelo próprio Elvis e Ken Darby. Mais tarde, Elvis repetiria a dose cantando-o a Laura Dern, via Nicolas Cage, no célebre "Wild At Heart" de Lynch! Contudo, o filme integra ainda na sua banda sonora temas como "Poor Boy" (Matson - Presley) um dos mais populares e conhecidos de Elvis Presley.

Luís Filipe Menezes

Luís Filipe Menezes é o representante mais genuíno (talvez o facto de estar fora de Lisboa e ser autarca a isso ajude) daquilo a que já chamei a “pulsão” populista existente, de há longa data, em sectores radicais, urbanos e pequeno-burgueses do PSD, e que tiveram, com nuances, a sua expressão no chamado Santanismo e na recandidatura de Carmona à Câmara de Lisboa. Convém dizer que no PS existem erupções semelhantes, embora menos evidentes e localizadas (Felgueiras, p. ex.) o que é explicado pela diferente génese e valores históricos referenciais do partido. Nada de fundamentalmente muito diferente, na sua origem, das motivações que, nos anos 20 e 30 de século passado, deram origem aos vários nazi-fascismos na Europa e, na América do Sul dos anos 40 e 50, aos populismos “justicialistas”. Claro que as circunstâncias históricas são hoje muito diferentes, dando origem a modelos ideológicos e formas de organização política que são, também elas, expressão de uma sua evolução “democrática”, mas a “malaise” que assim se expõe, essa, não é assim tão “estranha” quanto se poderia pensar, ou seria desejável que acontecesse.

segunda-feira, julho 23, 2007

Série "B" (6)

"Attack Of The Crab Monsters" de Roger Corman (1957)

Pacheco Pereira e a crise dos partidos

Um pequeno comentário – que é mais um acrescento, se ele me permite – ao artigo de José Pacheco Pereira no “Público” de sábado: “O PSD e a crise dos partidos na democracia portuguesa”.

Um dos problemas gerados pela necessidade rápida de implantação, em todo o território nacional, dos partidos que se opunham ao PCP no pós 25 de abril foi o seu crescente domínio pela província e, assim, por gente, por um lado, talvez bem intencionada mas mal preparada politicamente e, por outro, por arrivistas que viram aí uma oportunidade única de se afirmarem social e financeiramente, numa sociedade com uma classe média frágil em número e “educação”, tão mais frágil quanto mais caminhamos para a base da pirâmide afastando-nos daqueles que eram – e ainda são, apesar de tudo – os centros onde mais se concentram as elites (Lisboa e Porto). Esse domínio, moldando a cultura e o way of doing the things partidário, foi apenas mais uma das razões que contribuiu para “expulsar” os melhores e mais bem preparados politicamente, com uma visão mais “larga”, estratégica e cosmopolita da “coisa pública”, tal como... o próprio José Pacheco Pereira.

Da importância das bolas de berlim das praias

Uma nota muito negativa para aqueles que, invocando uma tradição que nada tem a ver com os valores fundamentais e referenciais, confundidos, aqui, com algumas memórias de infância mitificadas e, muitas vezes, reconstruídas e até imaginadas à medida da imagem e objectivos do presente, se manifestam contra a regulamentação da venda ambulante nas praias. É uma atitude provinciana, “bacoca”, reaccionária e, o que é pior, pedante e falsamente “bem”, de quem desconhece que para manter os valores tradicionais é preciso saber neles integrar o legado civilizacional e humano dos tempos que também são os nossos, não confundindo tradição – e até genuinidade e autenticidade - com bolas de Berlim fritas em óleo “de não sei quantas frituras” e vendidas na praia sob um sol de 30º ou 40º, mortes de touro sem arte em Barrancos e crianças fumadoras já não me lembro muito bem onde.

E não vale a pena falar sobre a “ferocidade” com que a ASAE se abate sobre os ditos vendedores ambulantes, esquecendo, simultaneamente, Estado e governos o desordenamento do território, o lixo nas praias, os acessos sem condições e tudo o mais que uma ou mais famílias decerto não necessitariam. A ASAE está apenas a cumprir o papel que é o seu, e seria bem mais útil que quem contra isso vocifera voltasse a sua fúria contra as entidades que o não cumprem noutras áreas, como as citadas, sem dúvida bem mais importantes. O papel da ASAE é apenas um sintoma da impotência do Estado, pois este volta-se contra quem menos poder tem esquecendo os outros? Porventura – de certeza - será assim; compete, pois, denunciá-lo e não culpar quem faz o que deve. E quanto àqueles que argumentam que sempre comeram bolas de berlim na praia e nunca adoeceram, o argumento é, deixem-me dize-lo, tão notoriamente indigente que o respeito que ainda nutro por quem o esgrime me impede sequer de contra argumentar. Digamos que uma daquelas senhoras de bata entrevistadas na feira do relógio depois de uma arremetida da dita ASAE contra as contrafacções não argumentaria melhor.

Para que não restem dúvidas, também comi bolas de berlim (que me souberam muito bem), batatas fritas e bolacha americana na Praia Grande, no Guincho e na bem mais middle class Caparica. Também não adoeci e estou vivo. Como se pode ler, arguto e inteligente, situação de que tantos outros não se poderão gabar. E quanto a autenticidade, sei distinguir perfeitamente um Camembert feito com leite cru de um President industrial vendido no Continente, caviar Beluga de ovas de lumpo e um Rolex autêntico de uma cópia da Tailândia ou de Canal Street. Ah!, também gosto de “jaquinzinhos” fritos! E quanto à defesa das tradições este blog "speaks for itself". Já agora, porque não fundam a Confraria das bolas de berlim das praias ou a respectiva associação de defesa, com direito a DOC e tudo?

sexta-feira, julho 20, 2007

A União Ibérica e 1640

Eu sei que a Wikipedia nem sempre é muito rigorosa. Mas, neste caso, o que pode ver aqui é suficientemente credível para entender, de modo mais vasto, o que se passou em 1640 e o modo como a restauração da independência portuguesa se insere na crise mais vasta da Espanha dos Habsburgos na Europa do século XVII. É que nunca é tarde para aprender a deitar fora as ideias feitas.
Acrescento ainda isto:
"LA CRISIS DE 1640
Olivares intentó llevar a cabo una política centralista en los reinos periféricos, ante la acuciante necesidad de comprometerlos más, económica y militarmente (Unión de Armas) con la política europea de los
Habsburgo. Las cortes de Barcelona se niegan y Olivares decide llevar la guerra contra Francia por la frontera catalana, los roces con la población hacen que la situación estalle (Corpus de sangre, 7 de Junio de 1640) desencadenándose una larga guerra civil, en la que los catalanes contaron con apoyo francés, la crisis acabó tras la capitulación de Barcelona (1652). Este levantamiento estuvo acompañado por los de Aragón, Andalucía, Nápoles y Portugal, en el mismo momento en que los Habsburgo se la juegan en Europa. La sublevación portuguesa, con el apoyo francés, inglés y holandés, saldrá adelante. En 1668 se acabará reconociendo la independencia portuguesa. "

"When I woke up this morning" - original blues classics (9)



Charlie Patton (1891 - 1934) - "Screamin' and Hollerin' the Blues"

Que têm de comum José Miguel Júdice, o Oriental e o Atlético?

Nos anos quarenta do século passado, vários clubes de origem operária e popular da então “Cintura Industrial de Lisboa” encetaram um processo de fusões que culminou na fundação do Clube Oriental de Lisboa (fusão do “Fósforos”, Marvilense” e “Chelas”) e do Atlético Clube de Portugal( fusão do “Carcavelinhos” e do “União Lisboa”). Julgava-se, deste modo, poder ganhar massa crítica e tornar os novos clubes assim formados mais competitivos e capazes de melhor ombrear com os grandes de Lisboa. O resultado é conhecido e, depois de alguns “fogachos” nos anos cinquenta e sessenta (menos), ambos se afundaram e arrastam nas divisões (muito) secundárias. A razão era simples: o problema estava na emergência da profissionalização do futebol e na terciarização da cidade de Lisboa, com deslocação para a margem sul e para a periferia da “dita” “Cintura Industrial”, esvaziando a base de apoio dos referidos clubes, recém formados.

Lembrei-me destas memórias, transmitidas pelo meu pai, ao ler a proposta de José Miguel Júdice para a fusão de PSD e CDS. É que, agora como no caso apresentado, o problema vai muito para além de qualquer tipo de estratégia de “fusões e aquisições”, estratégia que, aliás, não esteve, nos últimos tempos, muito longe do pensamento político de Paulo Portas. Tal como disse aqui ontem, é um problema de “refundação” ideológica em torno de um edifício “neo-liberal” (que é o segmento de mercado vago á direita), da possibilidade de redimensionar esse segmento de mercado, ampliando-o, e da capacidade e possibilidade políticas para afirmar - na oposição ou, de futuro, eventualmente no governo – essa alternativa. Tudo o resto são consequências...

A CIP e os despedimentos "ideológicos"

Tenho por hábito dizer que, não sendo a pessoa mais inteligente do mundo, quando leio qualquer disparate vindo de alguém considero inteligente terei de procurar as razões numa outra lógica, talvez numa quinta dimensão. Ou que então talvez tenha lido mal, valendo a pena uma nova leitura. Ou então, também, algo fruto de emoções incontroláveis, que por vezes nos conquistam e tudo a elas sobrepõem, um pouco como o Dr. Strangelove de Kubrick que, nos momentos de excitação, não conseguia esconder o seu passado nazi.

Vem isto a propósito, a ser exactamente assim - dúvida legítima perante tamanho disparate -, da reclamação das confederações patronais no sentido da eliminação do artigo 53º da Constituição que proíbe os despedimentos por motivos ideológicos. Bom, em primeiro lugar, e buscando a tal outra lógica alternativa, parece-me ser apenas uma tentativa de marcar território, não pensando a CIP existirem quaisquer condições para o sucesso; uma marcação de território que teria como objectivo “empurrar” mais para a “direita” o “centro” da discussão, numa altura em que os sindicatos demonstram alguma fragilidade e se auto-isolam já que as suas reivindicações pouco ou nenhum eco encontram fora do grupo, cada vez menor, dos seus associados e da agenda política do PCP. Mas é um “tiro no pé”.
Primeiro, e dando por caso encerrado na memória distante as ligações à ditadura, está ainda bem viva a memória de um movimento patronal demasiado ligado a um modelo económico baseado nos baixos salários e valor acrescentado, que basicamente conduziu o país à actual situação. Imagem para alguns empresários porventura injusta, seja; mas de maioritária justiça e ainda demasiado presente - e fantasma que a actual proposta ressuscita, deitando por terra trinta ou mais anos de tentativa de aggiornamento . Em segundo lugar porque a CIP perde qualquer autoridade para criticar os sindicatos pelas suas posições “jurássicas”. Como diz MC (Manuel Carvalho?), no “Público” de hoje (e diz muito bem), “Uma coisa é exigir flexibilidade ao Código de Trabalho. Outra, bem diferente...” Já estou a ver Carvalho da Silva, de dedo em riste, a dizer com toda a razão do mundo: “eu não dizia”? Em terceiro lugar, não só dificulta qualquer proposta de entendimentos com o sector do movimento sindical exterior à CGTP, como contribui para que, mesmos estes últimos, possam aumentar o seu capital de simpatia fora da sua esfera de influência, quebrando um pouco o seu isolamento - e, por contraponto, diminuir esse capital às confederações patronais. Por último, questão fundamental, deixa ao governo (a este ou outro qualquer) uma interrogação preocupante: com este movimento sindical e esta confederação patronal, com quem efectivamente contar para modernizar o país?

quinta-feira, julho 19, 2007

Clássicos do Cinema (36)











"Grindhouse" (2007) de Quentin Tarantino e Robert Rodriguez

A crise "à direita"

Face às reformas - mesmo que tímidas e por vezes menos estruturadas do que seria desejável - do actual governo de José Sócrates, o único programa de governo que qualquer partido à direita do PS poderia consequentemente propor aplicar, diferenciando-se claramente como alternativa, seria um programa radical do tipo “neo-liberal” (não gosto de usar o termo que está demasiado gasto e conotado, mas enfim), um pouco baseado nas medidas propostas pelo “Compromisso Portugal”. Seja, um corte radical nas despesas e funções do Estado, inclusivamente com despedimentos massivos na Função Pública, reformulação e liberalização (ou "pessoalização") dos sistema de segurança social e de saúde, muito maior flexibilidade nos despedimentos individuais, reforma da educação no sentido das principais medidas propostas pelo Fórum para a Liberdade de Educação, abrandamento da política de obras públicas com eliminação dos projectos TGV e novo aeroporto, etc. Terá algum governo condições políticas para o implementar em democracia? Quais seriam as suas consequências a nível social e económico? Seriam “suportáveis” e “sustentáveis”? Estaria algum partido disposto a sofrer as consequências eleitorais respectivas?

Esta é a questão chave da tão propalada crise da direita e à qual o PSD (o PP implodiu) deve dar resposta, sendo a questão da liderança apenas dela subsidiária. Infelizmente, parece fugir dela como o diabo da cruz, ou o vampiro dos alhos, a crer nas afirmações piedosas de Marques Mendes e, principalmente, Luís Filipe Menezes nas suas entrevistas às televisões e nas propostas de diferenciação (???) que, em maior ou menor grau, enunciaram.

quarta-feira, julho 18, 2007

História(s) da Música Popular (51)



Neil Sedaka - "Oh, Carol!" (Sedaka - Greenfield)

The Brill building (II)

O “História(s) da Música Popular” serve também para isto: passar em revista o que tenho em casa e por vezes descobrir o que falta, o que julgava ser impossível não ter e o que tenho e achava não tinha. Confuso? Não tanto, pois a memória não dá para tudo e não tenho discos e CD’s em base de dados: estão por temas e ordem alfabética e... viva o velho, que é expressão bem a propósito.

Mas também a que propósito vem todo este arrazoado? Bom, é que sendo feliz proprietário (bem posso dizê-lo) da antologia da Atlantic Records “Atlantic Rhythm and Blues, 1947 – 1974” (sete CD’s) achei impossível não ter as interpretações de LaVern Baker e Clyde McPhatter para as duas composições de maior êxito da dupla Sedaka-Greenfield para a Atlantic, respectivamente “I Waited Too Long” e “Since You’ve Been Gone”. Pois, surpresa, não tenho e teremos que passar sem elas. Talvez até tenha em Vinil o que, para o caso, é mesmo “igual ao litro”. Mas são como as bruxas: existem mesmo!!!

Bom, assim sendo passemos àquele que é, seguramente, o maior êxito da dupla e um dos maiores de sempre do “Brill bulding”: “Oh, Carol!”, segundo rezam as crónicas – e rezam bem – é uma homenagem de Sedaka a Carole King, sua namorada ou coisa no género nos salad days de ambos. Pois Carole bem o merecia, já que não sendo propriamente uma “brasa” não era nada que não merecesse um par de meias solas bem gastas. Mas pronto, azar (?), Sedaka acabou por casar (até hoje) com Leba, de quem tem dois filhos, Dara e Marc, ambos ligados á indústria das cantigas e “ofícios correlativos” (Dara gravou mesmo a duo com o seu pai), e Carole com... Gerry Gofin, parceiro de dezenas e dezenas de composições com origem no Brill building – e Carole também muito bem sucedida como intérprete. O que está bem sempre sempre acaba bem? Às vezes, pois Carole e Gerry acabaram por se divorciar.


“Oh, Carol !” atingiu o #9 em 1959 e teve direito a cover versions em várias línguas, entre as quais o português do Brasil e aqui do rectângulo, neste caso por intermédio dos “Conchas”. Neste último caso, posso desde já dizer que tenho a interpretação em CD, mas com dispositivo de copy control que não permite a sua reprodução. Uns "chatos" estes tipo da indústria! Mas fica o original de Neil Sedaka. Have a nice day!

O Mundo em Guerra (36)

Japan

terça-feira, julho 17, 2007

Na despedida de "Seve" Ballesteros

Severiano Ballesteros

"Hole in One" do inglês Paul Casey na Ryder Cup de 2006 (o 5º da história da prova)
Vi jogar Severiano Ballesteros - que agora abandona o golf - “ao vivo” uma única vez: na Ryder Cup de 1991, em Kiawah Island, Carolina do Sul. Para ser honesto, não guardo uma ideia muito nítida do seu jogo nesses dias, embora “Seve” tenha sido um dos jogadores europeus mais bem sucedidos de sempre na Ryder Cup: ganhou 20 pontos em 37 possíveis e a sua parceria com José Maria Olazabal ganhou 11 jogos, empatou 2 e perdeu outros dois. Foi um dos grandes desportistas do século XX, que deu um contributo decisivo à divulgação e popularidade do golf fora das “British Isles”

(Esclarecendo quem não está muito dentro destes “meandros”: na Ryder Cup, que se disputa de dois em dois anos, jogam a selecção da Europa contra a selecção dos USA, cada uma composta por 12 jogadores, num sistema de “match play”, isto é, os jogadores (e pares de jogadores) não jogam “contra o campo”, tentando fazê-lo no menor número de pancadas, mas “um contra o outro”, ganhando quem vencer no maior número de “buracos”).

Duas ou três imagens guardo, contudo, bem nítidas desse evento: os milhares de pessoas à volta de cada “fairway” e de cada "green", incitando a sua equipa com cânticos como se de um jogo de futebol se tratasse, e o “put” (pancada no "green" tentando atingir directamente o "buraco"), de não mais de metro e meio, falhado por Bernard Langer, e que acabou por dar a vitória aos USA. Nunca pensei que a minha desilusão pudesse ser tão grande, igual a uma derrota importante do “meu” Benfica! Agora, que a Sport TV faz o favor de transmitir o evento, não largo a televisão de dois em dois anos, para desespero de amigos e família que não percebem a razão de tal entusiasmo perante “such a boring game”.

Marques Mendes e o seu partido

Uma coisa eu não percebo: pode haver mil e uma razões para não se gostar de Marques Mendes ou para achar que não é o leader ideal para o PSD, mas depois de ter sucedido ao descalabro Santana - bem vivo ainda na memória de todos (ou será que não?) - ter ganho as autárquicas, apoiado o candidato vencedor nas presidenciais, ter ajudado - e bem - a levantar e a sustentar a questão estratégica (atenção: não estou a falar dos faits divers mais ou menos folclóricos que nascem por aí todos os dias) que mais embaraços causa ao governo (a questão do novo aeroporto de Lisboa) e de ter tido a coragem de pôr cobro a uma situação política insustentável na Câmara Municipal de Lisboa, Marques Mendes está sob o fogo do seu próprio partido apenas porque teve uma estrondosa derrota numa eleição para a Câmara de Lisboa, disputada em circunstâncias muito especiais?

Pelo vistos, o síndroma da “chicotada psicológica” só por numa tarde menos boa se ter empatado em casa com o “Cascalheira” acaba de chegar à política.

segunda-feira, julho 16, 2007

The Classic Era of American Pulp Magazines (36)

Capa de William Reusswig para "Detective Yarns" (Fevereiro de 1939)

Grandes Séries (18)


"Edge of Darkness" (1985)
É uma série de culto, multi-premiada e super aclamada pela crítica, ainda hoje em dia, e considerada uma das séries britânicas mais influentes de sempre. Confesso me decepcionou um pouco, talvez pelo alto nível das expectativas criadas. Só a vi há um ou dois anos, na BBC Prime (único canal em que passou em Portugal), e falhei um episódio (são seis) para além de não ter conseguido ver com suficiente atenção mais um ou dois – e a série é como a música de Wagner: nada para partilhar com qualquer outra actividade. Talvez essa a razão de algum desencanto, ou o facto de achar o tema e a abordagem um pouco datados e esta feita de um modo demasiado fantasista, não sei. Sei que gostaria de ver outra vez, e irei fazê-lo via DVD mais dia menos dia, já que há coisas que são assim mesmo: só as descobrimos verdadeiramente com a repetição. A série move-se à volta das questões ligadas com a indústria nuclear e as teorias de James Lovelock sobre a “hipótese Gaia”, que penso que terá sido algo com pouco ou sem qualquer tipo de impacto em Portugal (ver “A new look at life on Earth” by James Lovelock), talvez outra razão para um certo desencanto. Tem também muito que ver com o “ar do tempo”, quando Reagan e Thatcher trouxeram uma nova abordagem política à guerra fria (ver "Strategic Defense Iniciative") e ao nuclear, e com discussões de temas que, ainda sem net ou TV Cabo, passaram por aqui bastante à margem. Sugiro uma leitura adicional para os mais interessados.

As interpretações, essas, são excelentes, com Bob Peck (“useiro e vezeiro” nas séries britânicas – “The Scold’s Bridle”, por exemplo, baseado num romance de Minette Walters) e Joe Don Baker (“Cape Fear”, "Goldeneye" e “Marte Ataca”) nos principais papéis. Tem ainda música de Eric Clapton, mais um plus. Ah, e vende-se via Amazon... pela módica quantia de £ 9.97. Vale bem o risco!

A coligação de intetresses em torno de António Costa

Existe uma coligação de interesses em torno da candidatura de António Costa? Claro que sim: em democracia os partidos e candidaturas tendem a reflectir os vários interesses e tendências plurais existentes na sociedade. Ainda bem que assim é, e tanto melhor quanto mais diversificados forem esses mesmos interesses. Um político fraco e inexperiente, sem peso político próprio, tende a ser manobrado por eles, ficando deles refém e, no limite, sendo “atropelado” por eles. Ou então, por não se sentirem nele representados, tenderão a expulsá-lo. Foi um pouco disso o que aconteceu a Carmona Rodrigues. Um político experiente, com ambições e um projecto próprio, sabe gerir esses interesses, conseguindo manter perante eles uma certa autonomia, jogando com os objectivos de cada um deles e com as suas interdependências. Concedendo aqui e agora, para ser intransigente ali e depois. Essa é a minha esperança face a António Costa.

domingo, julho 15, 2007

Duas notas sobre Lisboa

Apenas duas pequenas notas sobre as eleições em Lisboa, tentando não me integrar na verborreia geral.
  1. Os dois “momentos Chavez” do PSD pela mão da SIC Notícias: a insistência ad nauseam no facto de o PS não ir conseguir a maioria absoluta e a irrupção, já perto do final da noite informativa e quando nada o justificava, da "notícia" sobre o facto do PSD poder vir a ficar à frente da candidatura de Carmona, o que parece nunca ter estado perto de acontecer (ficou a um claro ponto percentual).
  2. As duas candidaturas "independentes" (Carmona e Roseta) correspondem, de facto, a duas “pulsões” há muito instaladas nos partidos respectivos: um certo populismo pequeno-burguês e radical, de carácter urbano, no caso do PSD, e o basismo esquerdista anti-partido, no caso do PS. Em ambos os casos, nada de particularmente saudável.

Lisboa vista de Espanha

"Los habitantes de la capital portuguesa eligen alcalde, resignados ante el deterioro urbano, el despoblamiento y el envejecimiento"
OU

Mourinho e Abramovich

José Mourinho e Roman Abramovich parecem um casal em plena crise conjugal. Quando se começam a ter muitas conversas, muitas trocas de impressões sobre o estado e o destino da relação, o modo como melhorá-la, é sinal de que o divórcio se aproxima.

Saramago e a Ibéria

Não tenho qualquer simpatia pelo Saramago/personagem, nem mais do que média admiração pelo Saramago/escritor. Mas antes que venham aí os hipócritas do costume acusá-lo de “vende pátrias”, deixem-me dizer que nunca foi qualquer tipo ou género de patriotismo (conceito praticamente desconhecido antes do século XVIII) o responsável pela independência de Portugal face a Castela/Leão e, mais tarde, a Espanha. Apenas circunstancialismos históricos e, muito principalmente, a necessidade da relativamente mais fraca aristocracia portuguesa – e a pequena aristocracia dos bastardos e filhos segundos - evitar a sua subordinação à poderosa aristocracia castelhana, e da burguesia dos “mesteres” assim garantir para si, também, alguma maior autonomia e prosperidade na época. Tudo isto apoiado, claro está, pelos interesses políticos da potência marítima de então: a Inglaterra. Ou será que os portugueses ainda não entenderam que Aljubarrota foi muito mais um episódio da guerra dos cem anos, á mistura com aquilo que hoje chamaríamos uma guerra civil, do que uma batalha pela independência?
Já agora: se Aljubarrota já foi tratada nos últimos anos, a nível dos mass media (jornais, TV), com alguma seriedade e rigor históricos, não será altura de fazer o mesmo com o epidódio de 1640 e a Guerra da Restauração?

A Guerra Aqui (mesmo) Ao Lado (23)

Cartaz anónimo

"L'analfabetisme era una de les lacres més importants de la societat espanyola de l'època. Una forma més de diferenciació social i d’opressió que la república vol evitar amb la creació de milícies culturals, organització d'exposicions, creació de biblioteques... Les campanyes pro-lectura foren molt habituals i nombroses."

sábado, julho 14, 2007

"When I woke up this morning" - original blues classics (8)



"Blind" Willie Johnson (1897 - 1945) - "Praise God I'm Satisfied"

Zita Seabra, José Manuel Fernandes, Cita Vales e o 27 de Maio de 1977

O artigo de J. M. Fernandes sobre o livro de Zita Seabra (“Foi Assim”) publicado no “Público” de ontem (Ypsilon), e a referência que Zita faz nesse seu livro, citada por JMF, a Cita (ou Sita) Vales, “obrigou-me” a recorrer à net para um pequeno refrescamento sobre o que ficou conhecido como os acontecimentos de 27 de Maio de 1977 em Angola, que culminaram no fuzilamento de milhares de angolanos entre os quais Cita, Nito Alves e José Van Dunen (ver aqui, aqui e aqui). Várias questões me impressionaram e outras se me interrogaram:

Em primeiro lugar, o insuficiente esclarecimento, pelo menos em Portugal, sobre efectivo papel do PCP nos acontecimentos e, portanto, nos massacres que se lhe seguiram como sua consequência. Não admira: estava-se ainda muito perto do 25 de Abril (três anos depois), e do 25 de Novembro, e fazê-lo iria certamente agitar algumas questões sensíveis e politicamente inconvenientes. Percebo-o. No entanto, seria hoje em dia deveras interessante fazê-lo, pois o MPLA, muito ligado a uma elite angolana branca, mestiça, negra e urbana que se movimentava no eixo Luanda/Lisboa, era o movimento de libertação (e estou a falar de todas as colónias) onde a influência portuguesa e do PCP seria mais evidente. Por outro lado, a história e histórias ligadas ao chamado golpe de Nito Alves parecem constituir uma oportunidade interessante para o estudo de algumas eventuais contradições (?) entre os interesses dos aliados soviético e cubano, aqui e ali afloradas. Uma sugestão a alguns historiadores. José Pacheco Pereira, por exemplo

Em segundo lugar, numa época de glorificação das ideologias, o modo como essas mesmas ideologias aparecem apenas como vaga justificação, passe um ou outro idealismo que surge como ingénuo e fora de contexto, para aquilo que é, efectivamente, apenas uma nua e crua luta pelo poder. Só isso: a luta por um poder que, em África, se assume quase sempre como uma questão de sobrevivência.

Passando a Cita Vales, a primeira coisa que me chocou foi o fanatismo que parece ter sido um fio condutor da sua personalidade ao longo dos anos. Não querendo entrar no lugar comum, que separa a rapariga que “não perde uma missa e coloca pedras nos sapatos para se martirizar”, que “espalha santos por portas e janelas, soldados “canonizados” para defender a sua casa dos terroristas” e a que declara, prisioneira na sede da DISA, quando lhe oferecem comida, “a um comunista não se lhe dá leite, dá-se-lhe porrada”? Nada separa e tudo talvez une: uma arrogância gratuita, uma imaginada superioridade moral mais evidente em situações de fraqueza extrema, de medo e de impotência.

Por outro lado, a sua beleza física, frequentemente evocada em tudo o que sobre ela se escreve - o que não espanta dado essa ser característica escassa no movimento estudantil da primeira metade dos anos setenta do século que passou – parece ter constituído elemento fundamental na sua ascensão política e na luta pelo poder. Não apenas pelo facto de parecer ter posto essa beleza física e o tráfico sexual ao serviço da sua ascensão política - na luta pelo poder - o que é comum na sociedade e nas organizações, mas, muito principalmente, por o ter feito em organizações de cariz marxista-leninista, o que pode aparentar ser algo contra-natura e dessa beleza ser, também, por si só, arma da sua afirmação pela diferença, de marcação do seu território. Daí que essa sua característica possa ter exercido algum fascínio sobre alguém simultaneamente tão semelhante e dissemelhante nesse ponto (Zita Seabra), mas para quem o poder era também um objectivo facilitado pela ausência de afectos e que decidiu prosseguir esse caminho fora do PCP quando este se tornou ferramenta inadequada a tal desígnio e a
oportunidade surgiu. Não admira, assim, que Cita seja, segundo JMF, a única referência afectiva do livro de Zita Seabra, a ponto de ter intercedido por ela junto de Álvaro Cunhal depois dos acontecimentos de 27 de Maio – sem sucesso, aliás. Um momentâneo sinal de fraqueza ou a defesa de um outro eu a que aspirava? Conhecendo o resto da história, inclino-me para a segunda hipótese.

sexta-feira, julho 13, 2007

Gothic Horror (1)

" Frankenstein" de James Whale (1931)

As "medidas" de António Costa

António Costa comprometeu-se com dez medidas de emergência para a cidade de Lisboa. Acrescento mais três, duas delas incluídas na questão da limpeza:

  • Eliminação radical dos “ecopontos” que não sejam “enterrados”, não só porque são de péssimo gosto e fonte de poluição visual enquanto mobiliário urbano, como se tornaram autênticas lixeiras a céu aberto no meio da cidade. A prazo, eliminar todos os ditos “ecopontos” e preparar a recolha separada do lixo “porta a porta”.
  • Apreensão do cão até ao pagamento da respectiva multa e multa pesada (pesada, mesmo: do tipo 1 000€) a todos os munícipes que não apanharem a “caca” dos seus canídeos e não deixarem o passeio ou a estrada limpos, tal qual os encontraram.
  • Eliminação do separador de betão e rede na Av. da República, frente à antiga feira popular, destinado, ao que parece, a evitar os atropelamentos, mas que torna uma das avenidas nobres de Lisboa numa circular suburbana, e sua substituição por um outro dispositivo com o mesmo objectivo (passagem subterrânea?). É que, já que gostam tanto de se comparar com Espanha, alguém já imaginou, por exemplo, o Paseo de la Castellana, com uma manigância (os franceses diriam “truc”) idêntica?

"Bute" lá, meu caro António Costa?

Cinema e Rock & Roll (8)



Claro que o movimento "Yé-Yé" e as suas duas grandes vedetas (Sylvie Vartan e Johnny Hallyday) não poderiam passar ao lado desta moda de filmes sobre o r&r. Foi isso que aconteceu e este "D'où viens tu, Johnny" aqui está para o provar. Confesso não vi o filme, que é a primeira aparição do duo no cinema e de cada um enquanto vedetas do r&r, embora ambos tenham tido aparições anteriores não muito relevantes. Vi o filme seguinte, "Cherchez l'idol", de que não encontrei imagens disponíveis e que, como cinema, não era nada de especialmente recomendável. Sobre o primeiro li, contudo, este comentário no IMDB: "the plot was weak and predictable, the screenplay pathetic, and the dialogue atrocious". Mas pronto, confesso o meu fraquinho pela Vartan (melhor seria dizer, "fortezinho"). Mas digam lá que não é caso para tal?
O filme é uma realização de 1963 (Nöel Howard) e a canção aqui interpretada por ambos chama-se "À Plein Coeur". Devo dizer que não tenho a certeza de ser um cover, como muitos o eram no rock e "yé-yé" francês da altura. Penso que é uma composição do próprio Hallyday, mas não juro. Jurar, jurar, apenas que a Vartan era mesmo bem gira!

quinta-feira, julho 12, 2007

Gramática...

Excerto de notícia da TSF on line: "Ana Avoila, coordenadora desta estrutura sindical, explicou à TSF que só não houve uma maior aderência, porque estamos em época de férias, mas que esta iniciativa espelhou bem o descontentamento dos trabalhadores em relação ao Governo."

Aderência? Como disse? Com adesivo ou cola tudo? Talvez daquela "Cisne", dos boiões, que o meu pai trazia do escritório para colar os cromos nas cadernetas quando estes ainda não eram autocolantes.

Como diria o outro: "apoiado pela ideia; porra para a gramática". Ou então como uma amiga minha quando devolveu a carta que um candidato a namorado lhe tinha escrito com erros ortográficos: medíocre - 1 erro.

Absolut ads (8)

English

Os estrangeiros/"alfacinhas" e os portugueses

Descendente de “alfacinhas” de várias gerações (por parte da minha mãe) e de estrangeiros imigrados de nacionalidades várias (família paterna), é sempre com curiosidade que leio e escuto opiniões de estrangeiros a viver em Lisboa, principalmente depois de, já adulto e com filhos, ter ouvido a minha avó paterna confessar que chorou horrorizada quando, com os seus vinte e poucos anos e a caminho do terceiro filho (o meu tio mais novo), na década de vinte do século passado, se viu chegada a Lisboa, pela primeira vez, com a perspectiva de aqui viver o resto da sua vida. Terá achado Lisboa – disse-me – uma cidade pobre e provinciana, um recanto pouco menos do que perdido no mundo. Vem isto a propósito das entrevistas que o “Público” tem vindo a publicar com “estrangeiros/alfacinhas”, tentando saber dos seus agrados e desagrados, paixões e desilusões. O que é curioso é que um dos hábitos tidos por mais estranhos, na sua opinião mais ou menos generalizada, é o tempo excessivo que os portugueses gastam com o almoço (e o que comem, acrescento eu), algo que compartilho inteiramente. Há muito deixei de almoçar durante a semana, excepto por razões profissionais – que evito – ou quando isso é pretexto para um almoço leve e uma hora de conversa com filhos ou amigos. Uma boa sanduíche e fruta substituem o almoço com vantagem. Mesmo durante o fim de semana, só uma boa perspectiva gastronómica, bom vinho incluído, e conversa com amigos (três coisas a que dificilmente resisto – mas há outras), alteram regularmente este meu hábito.

Mas a questão começa bem antes, ao pequeno almoço, refeição que os portugueses substituem por um queque e um galão no café da esquina. Apesar de nunca ter aderido aos cereais (e a minha mãe bem se esforçou por me fazer engolir os corn-flakes ou os flocos de aveia durante a infância), substituídos com vantagem (acho) por pão de cereais e integral, um lauto pequeno com iogurtes, fruta, queijo fresco, sumo e doce – e, se possível, com uns ovos mexidos - é algo cuja ausência me deixaria indisposto para o resto do dia; tanto quanto o cortar-me a fazer a barba!

Mas hoje, uma cidadã polaca de nome Klaudia Palczac (e os polacos estão longe de ser um exemplo de cosmopolitismo), acrescenta a isto mais duas coisas que dificilmente entende, partilhando eu essa sua estranheza: o vestuário demasiado informal que as mulheres usam no trabalho (e eu acrescento: em contraste com a demasiada formalidade no tratamento) e os carros de alta cilindrada. Neste caso, pergunta mesmo: “aonde é que os portugueses, com o que ganham, vão buscar dinheiro para comprar carros tão caros”? Aqui eu respondo, cara Klaudia; acho sei responder... Já entrou nas casas dos portugueses e viu o desconforto em que vivem?

quarta-feira, julho 11, 2007

José Sócrates e as "juntas médicas"

O primeiro-ministro manifestou-se chocado com o caso dos professores doentes e ordenou uma auditoria a todas as juntas médicas da Caixa Geral de Aposentações. Num infeliz caso de contornos emocionais evidentes que servem para encobrir a questão essencial (as “baixas” fraudulentas), José Sócrates tenta cavalgar a onda populista que espera lhe traga alguma recuperação de imagem nas próximas sondagens. A primeira constatação é que não foi esse tipo de comportamento nem esse o modelo de actuação que lhe granjearam os níveis de popularidade já alcançados (pode alguém ser quem não é?). A segunda é que me parece que Sócrates estará a brincar com o fogo, ou melhor, a actuar como qualquer aprendiz de feiticeiro que se preze.

As transferências do futebol português e o empresário Jorge Mendes

Pepe: contratação não convence adeptos merengues (do "Mais Futebol")

"O diário espanhol Ás perguntou aos seus leitores «É Pepe uma boa contratação para o Real Madrid?» e a resposta foi 51 % negativa. Ou seja, os adeptos merengues estão divididos quanto ao valor do central brasileiro. Pepe é quase um desconhecido para os espanhóis que questionam também o valor da contratação (30 milhões de euros) quando o argentino Gabriel Milito, que militava no Saragoça, foi transferido para o Barcelona por 20,5 milhões de euros"

De facto, o primeiro comentário que apetece fazer ao valor das transferências de Nani, Anderson e Pepe é que o valor dos jogadores parece demasiado inflacionado face às suas reais prestações, "curricula" e notoriedade no mercado. Vejamos:

Nani não teve uma influência decisiva no Sporting, uma equipa que se “mostrou” pouco pois ficou-se pela fase de grupos da Champion League. Principalmente a partir do interregno de Dezembro e do momento em que se viu envolvido numa questão jurídica através dos seus empresários (hoje percebem-se melhor os seus contornos), não manteve regularidade exibicional assinalável e mesmo na selecção nacional, sem grande visibilidade em ano sem Europeu ou Mundial, apareceu apenas esporadicamente, tendo estado discreto no Europeu de sub-21..

Anderson, dos três jogadores em causa aquele que parece com maior valor potencial, esteve 2/3 da época lesionado e pouco ou nada se mostrou na Champions League ou na selecção brasileira. Ambos os jogadores (Nani e Anderson) foram contratados pelo Manchester United, clube que tem por hábito ser bem mais discreto nas compras (Cristiano Ronaldo custou 10 milhões e tinha outra planta física o que minimizava o risco), por mais de 50 milhões de euros .

Já em relação a Pepe, um central de indiscutível valor mas que não tem experiência internacional, nunca jogou numa selecção nem passou dos oitavos de final da Champions League, o excerto da reportagem do “Mais Futebol”, acima citado, fala por si. Jorge Andrade, um valor firmado internacionalmente, custou menos de 1/3 à Juventus. Quanto valeriam Ricardo Carvalho ou John Terry, talvez os dois melhores centrais europeus?

Todos estes negócios têm contudo um ponto em comum: o mercado português e o empresário Jorge Mendes. Quero acreditar que existam coincidências que são apenas isso mesmo: coincidências. E que existam empresários com especial vocação para o negócio, principalmente em Portugal terra natal do Sr. Oliveira da Figueira. Mas o que é facto é que o assunto parece estar mesmo a jeito para uma investigação jornalística. Ou até de outro tipo. Vale uma aposta que ninguém o fará?

"Lucy in the Sky with Diamonds" (10)

"Hari Krishna" - Um cartaz de East Totum West

História(s) da Música Popular (50)






The Brill Building


1 (dtª).Aldon Family circa 1963 (Top L-R) Jack Keller, Artie Levine, Lou Adler, Al Nevins, the Kirshners, Emil La Viola, and Howard Greenfield. (Bottom L-R) Barry Mann, Cynthia Weil, Gerry Goffin, Carole King and Neil Sedaka.
2 (esq.).H. Greenfield, D. Kirshner e N. Sedaka
Neil Sedaka - "The Diary" (Neil Sedaka - Howie Greenfield)
Pois a história podia começar assim: era uma vez um edifício situado no nº 1619 da Broadway. Ou então assim: o mercado emergente da nova cultura juvenil a que o r&r deu voz, não podia passar despercebido à indústria da música, que viu nele abrir-se um novo campo ao seu desenvolvimento. Pois então fica assim: desde antes da WWII que muitas das grandes produtoras e editoras de música tinham a sua sede no nº 1619 da Broadway, o “Brill Building”, assim chamado por via dos irmãos Brill, os seus proprietários originais. Depois do advento do r&r, mais precisamente em 1958, Don Kirshner, aquele que viria a ser um dos grandes produtores da pop (foi o "inventor" dos Monkeys e dos Archies), e a sua Aldon Music (em parceria com Al Nevins) estabeleceram aí os seus escritórios, embora mais tarde se tenham transferido para o nº 1650. E agora uma curiosidade: porquê aí? Bom, o nº 1650 tinha sido propositadamente construído para o efeito, com portas laterais, já que as leis da época não permitiam que os músicos utilizassem as... portas da frente! Era um bocado como se fossem os “marçanos” e as “sopeiras” da minha infância! E qual a ideia de Kirshner? Exactamente, partindo do r&r e tendo como mercado-alvo a nova cultura juvenil, criar um estilo musical mais melódico, musicalmente mais bem estruturado e orquestrado, suficientemente simples para ficar no ouvido mas sem o seu lado mais selvagem e que fosse ao encontro dos valores, sentimentos e aspirações dessa nova cultura emergente. Digamos que assim nasceu a pop, tal como hoje a conhecemos.

Para isso era necessário recorrer a quem tivesse bons conhecimentos de música e composição, mas, simultaneamente, fosse novo de idade e mente o suficiente para se enquadrar no espírito da época. E, de acordo com estes padrões, quem foram os primeiros contratados? Uma dupla já conhecida por ter composto um grande êxito para Connie Francis (“Stupid Cupid”, mais conhecido em Portugal pelo cover da brasileira Celly Campelo): Neil Sedaka, um músico de dezoito anos de formação clássica (piano), e o seu colega de escola Howie Greenfield. Foi apenas o início: Sedaka começou aí uma carreira recheada de êxitos como cantor e compositor (a “meias” com Greenfield), Kirshner enriqueceu, outras duplas de maior sucesso e consistência (até nas “letras”) foram contratadas (Barry Mann – Cynthia Weil; Carole King – Gerry Gofin; Ellie Greenwich – Jeff Barry; Doc Pomus – Mort Shuman; Jerry Leiber – Mike Stoller) e ao Brill Building ficaria para sempre ligado aquele que foi o maior produtor de sempre da pop music, tendo mesmo definido novos padrões para a função: Phil Spector, o “inventor” do célebre “Wall of Sound” e de um sem número de grupos e cantores da 1ª metade dos anos sessenta. Lá iremos, já que por aqui, pelo Brill Building, iremos ficar longo tempo, que ele (o 1619 – 1650 da Broadway) bem o merece.

Pois comecemos por aquele que terá sido mesmo o começo: “The Diary” da dupla “Greenfield – Sedaka”, #14 em 1959, interpretado pelo próprio Sedaka. Se pensarmos que Sedaka tinha sido escolhido por Arthur Rubinstein “himself” para tocar piano num espectáculo da “Antena 2” lá do sítio, veremos quão insondáveis são os desígnios da música e quanto toda ela é uma paixão.

Nota1: a televisão (não me lembro qual canal) passou não há muito tempo uma série documental sobre o Brill Building sound. Salvo erro, dava pelo nome de "Os jovens que se tornaram donos da Pop". O que vi, que não foi tudo, pareceu-me bem estruturado.

Nota2: Existem milhares de CD's sobre os compositores, autores e cantores ligados ao Brill Building sound. Muito por onde escolher, portanto, a maior parte bastante disperso. Existe, no entanto, uma antologia que é incontornável: "Back to Mono", de Phil Spector, 1958 - 1969. Inclui algumas das mais importantes produções e composições de Spector e dos seus "grupos" (Ronettes, Crystals), composições de Goffin & King, Mann & Weil, Barry & Greenwich e cantores como Ike & Tina Turner, Righteous Brothers, Ben E. King e Gene Pitney. 4 CD's, uma caixa, um livro, um pin e... o Phil Spector's Classic r&r Christmas Album. A não perder, mesmo!

terça-feira, julho 10, 2007

Ainda o "debate"(?) e a Drª Fátima

Ainda a propósito de "debate"(?) de ontem na RTP1 sobre as eleições para a Câmara "alfacinha", os meus comentários em Outubro do ano passado sobre esa personalidade incontornável da televisão portuguesa que dá pelo nome de Drª Fátima.

Série "B" (5)

A gestão do meu clube e o defeso

Uma vez mais: se nada de muito surpreendente acontecer lá para os lados da Norton de Matos, o meu “glorioso” é o grande perdedor deste defeso. Não só não conseguiu realizar mais valias significativas com a venda de nenhum dos seus activos (e sabemos quanto isso é necessário para compensar o déficit de estrutural de exploração), o que, aliás, não tem conseguido nos últimos dez ou quinze anos, como viu ser lançada uma OPA sobre o capital da sua SAD a um preço 1.5 € inferior ao seu valor de emissão e cerca de 1€ superior à sua cotação bolsista. Maior atestado à incompetência da sua gestão, convenhamos nem de encomenda. Como se não bastasse, ainda se vê envolvido (contra sua vontade, espero) no escândalo de uma OPA fantasma que desprestigia o mercado de capitais e, por arrasto, o país económico. Esperemos que a CMVM tire do assunto as devidas ilações e consequências.

Mas, como se isso não bastasse, a gestão do meu “glorioso” tirou mais um coelho da cartola: trocou dois valores seguros do plantel (Karagounis e Miccoli), europeus e com experiência internacional neste continente, por dois sul americanos de 2ª linha sem qualquer experiência do futebol europeu, um deles comprado a valor bem alto num negócio de elevado risco dados os problemas de adaptação que são moeda corrente em casos não muito diferentes. Esperemos dê certo, mas o risco é demasiado elevado para o único dos “grandes” que não o pode correr dados o objectivos explicitados e a escassez de performance desportiva nos últimos anos quando confrontada com um potencial tão elevado. Esperemos também que Manuel Fernandes passe a apresentar a constância de exibições que nunca foi seu apanágio e que Zoro confirme ser o valor seguro que aparenta. É que se a fé move montanhas, nunca presenciei tal milagre. Talvez questão de falta dela!

O debate

Algumas notas sobre o debate de ontem:
  • Começo por dizer que apenas resisti até às 23.15h – e foi tipo “cumprir promessa”. Concedidas as indulgências, retirei-me então discretamente.
  • O modelo “tipo refrão” (agora todos), claro, não funcionou, nem se esperaria que funcionasse; foi apenas o expediente usado pela RTP para justificar o seu estatuto de serviço público num caso em que a existência de duas listas independentes tornava inviável o recurso ao debate restrito aos partidos representados no executivo camarário. Assim, não foi debate – o que implica diálogo - nem entrevista individual, esta pressupondo uma certa “intimidade” entre entrevistador e entrevistado e uma certa proximidade com o espectador que não poderia existir.
  • O modelo “compartimentado”, isto é, com questões sectoriais pré-definidas é manifestamente castrador, ajudando àquele que tem sido um dos principais vícios da campanha: a não definição, por parte de cada candidato, de um modelo de cidade, a ele subordinando as políticas sectoriais propostas. Diga-se que apenas Garcia Pereira se manifestou contra, embora o modelo de cidade proposto (“Grande Capital Europeia”), se bem que possa massajar o ego de alguns portugueses e “alfacinhas”, esbarre com uma visão mais chã da realidade. Mais parece algo à medida de um Grande Líder...
  • Como seria de esperar, alguns candidatos de pequenos partidos em nada contribuem para a melhoria do debate(?). Estão neste caso os candidatos do PPM e do PNR, sem qualquer tipo de preparação para uma discussão séria. Mas é assim em democracia e, também por isso mesmo, saúdo a presença do candidato do PNR, apesar de não ter para com o seu partido qualquer simpatia, afinidade ideológica ou outra.
  • Por último, uma pergunta: o PSD decidiu escolher como seu candidato o “piorzinho” que por lá encontrou no partido? Era esse o requisito fundamental? É que, francamente, Fernando Negrão pareceu-me mau de mais para ser candidato por um partido com as responsabilidades do PSD à autarquia mais importante do país. Sim, eu sei que Santana Lopes já foi primeiro ministro, mas pensei fosse apenas um daqueles incontroláveis lapsos humanos e políticos momentâneos, facilmente reparáveis, reconhecendo ainda a existência de gente com qualidade lá pelo partido. Parece que quem tem qualidade não quis e quem quis não tem qualidade. “Cruel dilema”, diria o tão alfacinha “Narciso canalizador”.
  • E uma constatação:Maria José Nogueira Pinto é, decisiva e definitivamente, a candidata ausente/presente. Pois que volte em breve: Lisboa e a democracia precisam da sua contribuição.

segunda-feira, julho 09, 2007

Anglophilia (37)


Live Earth, Maravilhas, Salazar e o 1º ministro

Não vi o "Live Earth" nem o espectáculo das não sei quantas maravilhas, como já não tinha visto o concerto de homenagem (?) a Diana Spencer. Aliás não votei para as maravilhas (acho que se podia votar, não era?, por SMS ou internet...) e estou-me nas tintas para quais sejam. Nada disso altera a minha vontade de conhecer as que não conheço ou de voltar e aprofundar os meus conhecimentos sobre as que já conheço. Também não votei para os “maiores” portugueses, e julgo tal concurso irrelevante mesmo com a vitória do professor Salazar (é assim que agora se diz, não é?; dantes era só “o” Salazar). Nem sequer, aqui neste blog, entrei na polémica, dada a inutilidade e falta de representatividade do tal passatempo que trasformou o ditador em pop star. Também acho irrelevantes as vaias ao primeiro ministro, que tanto preocupam comentadores e jornalistas, tanto como acharia os aplausos se os houvesse. Por favor, alguém me acode?

Domingo vou votar

Vou votar no próximo dia 15, e até já decidi qual o sentido do meu voto. Fi-lo em função das maiores ou menores garantias políticas que cada um dos candidatos apresenta para a gestão da cidade, e não em função dos vários projectos estratégicos que cada um deles propõe e que, infelizmente, não consigo vislumbrar quais sejam. De qualquer modo iria sempre votar; vou sempre, mesmo que o faça por vezes em “branco”. Mas, com esta campanha, difícil será qualquer dos candidatos convencer a ir votar quem, à partida, não tenha muita predisposição para o fazer. É pena, porque muito está em jogo. Embora os candidatos se esforcem ao máximo por não o dar a entender!

"Strawberries and cream" (12)

Wimbledon - The Championships


And the winner is... Roger Federer

See you next year!!!

sábado, julho 07, 2007

Os "povos irmãos"

Importam-se muito, importam-se mesmo muito que eu considere como meus povos irmãos (se é que isso existe) não os brasileiros ou os africanos, mas os castelhanos, catalães, franceses, ingleses, alemães, checos, eslovenos, holandeses e por aí fora, isto é, aqueles com quem partilho uma boa parte dos valores civilizacionais, políticos, culturais, vivênciais, etc? Acham mesmo muito chato que escape a esse totalitarismo ideológico, do Brasil e África, com que nos martelam diariamente os ouvidos? Ah, é o problema da língua, de falarem a mesma língua (será que falam mesmo?)? Também falo e escrevo (e às vezes penso) em inglês, francês, castelhano e tenho uma “luzes”de catalão e alemão. Sendo assim, dão autorização? Óptimo, fico mais descansado e ainda mais agradecido! É que já me estava a sentir incomodado!

"Strawberries and cream" (10)

Wimbledon - The Championships



Entrevista com Roger Federer em busca do 5º título consecutivo

sexta-feira, julho 06, 2007

Grandes Séries (18)


Mais um clip de "Brideshead Revisited"
"Charles and Lady Marchmain in an underrated scene, both for it's acting, and the pivotol theme around which the film revolves. Clair Bloom is excellent in underacting the script. She IS Lady Marchmain, and in every word and nuance we barely realise how terribly important they are to the novel as a whole. Brideshead is all there, in her quiet words,and acting, with scarcely a raised word or an arched eyebrow".

"Que floresçam mil flores"... (13)

Berardo...

Joe Berardo parece destinado a passar à História como o nosso primeiro capitalista "democrata, anti-fascista e patriota"! Eis um bom exemplo de como as contingências dessa mesma História podem fazer um personagem.

Os novos investidores nos clubes de futebol

Algo interessante a acompanhar no futuro se o actual movimento de investimentos, vindos de fora do sector, nos clubes de futebol profissional se intensificar e consolidar será o modo como os organismos que superintendem e regulamentam o futebol a nível nacional (federações) e internacional (FIFA, UEFA, etc) se irão adaptar a uma pressão cada vez maior no sentido da rentabilização desses mesmos investimentos. Estão aqui em causa, claro está, as selecções nacionais e provas internacionais a esse nível, a organização das provas continentais de clubes (Champions League e Taça UEFA) e até a organização das ligas de cada país e a sua manutenção num quadro estritamente nacional. Por exemplo, faz sentido alguém investir fortemente num dos três grandes do futebol português e estes continuarem a disputar um campeonato que não gera nem pode gerar receitas suficientes para a sua rentabilização e não contribui para o incremento da sua competitividade europeia e mundial?

"Strawberries and cream" (9)

Wimbledon - The Championships


O cipriota Marcos Baghdatis teve direito a claque "à futebol" e tem sido uma das sensações. Veja e oiça o que ele diz

quinta-feira, julho 05, 2007

Norman Rockwell "Freedom" Images (4)

Freedom of Worship

Futebol e patrocínios - comentários a um artigo de Paulo Curado no "Público"

Segundo a Cision (empresa de monitorização de meios de comunicação citada hoje pelo “Público”), as nove principais empresas patrocinadoras da actividade “futebol”, em Portugal, alcançaram na última época um retorno de 433 milhões de euros face ao seu investimento (não menciona o investimento toal mas fala de 43.7 milhões para os "três grandes" o que, portanto, não deve andar muito longe dos investimento total). Conclui ainda o “Público” que, em função desse retorno, investir no futebol é cada vez mais lucrativo.

É uma conclusão errada fruto de uma metodologia “de medida” inadequada e pouco rigorosa que converte o espaço e tempo de exposição, conseguidos pelas marcas nos diversos meios, em espaço publicitário valorizado a preços brutos “de tabela”. E porquê inadequada e pouco rigorosa?

Bom, em primeiro lugar porque se trata de dois tipos diferentes de comunicação, com funções específicas, cada uma utilizando linguagens também diferentes e de tipo distinto que, portanto, não podem ser avaliadas pela mesma bitola. Em segundo lugar, porque a metodologia utilizada considera que todo o espaço ou tempo da peça (escrita, reportagem TV, notícia de rádio), onde a marca é mencionada, é contabilizado para efeitos do cálculo do retorno, mesmo que a marca aí seja mencionada apenas uma vez ou “apareça” de forma difusa ou esporádica. Em terceiro lugar, porque esse espaço e tempo são contabilizados em valores “brutos”, de “tabela”, e não líquidos de descontos, bónus, etc, o que tornaria o resultado bem diferente. Em quarto lugar, porque a avaliação é apenas quantitativa e não qualitativa, isto é, não entra em conta com questões tais como a adequação à estratégia e “valores” da marca, compreensão e memorização da mensagem, etc. Em quarto lugar, porque não mede os seus efeitos ao nível do consumidor e do mercado, isto é, quais as alterações que terá provocado no comportamento dos consumidores face ao mercado, “categoria” de produto e marca (compra, recompra, hábitos de consumo, etc). Se quisermos ir mais longe, a montante, não “mede” a adequação da marca ou do negócio patrocinador à actividade patrocinada, em termos de identidade de “valores” e imagem, identificação entre patrocinador e patrocinado, apropriação da actividade patrocinada pela marca patrocinadora na mente do consumidor, etc.
Seria bem melhor que Paulo Curado - autor da notícia do “Público” - em nome do rigor da informação e não sendo obrigado a perceber destas “minudências” técnicas, tivesse tido o cuidado prévio de se informar sobre a validade da informação transmitida. Não o tendo feito, a peça jornalística bem mais se parece com encomenda a preceito

Como informação adicional, existem, hoje em dia, metodologias de research que permitem responder, com bem maior eficácia e rigor, a este tipo de questões, e que poderão constituir uma ferramenta essencial, ao nível das empresas e das marcas, na tomada de decisões sobre este tipo de investimentos.